4

A piada de Alexandre Frota é ele mesmo

Vamos relembrar uma história?

No começo deste ano, Alexandre Frota se meteu em uma “polêmica” por conta de uma entrevista concedida para algum programa ruim de televisão que estava sendo comandado por Rafinha Bastos (aliás, o programa era tããão assistido que uma entrevista de 2014 só foi repercutir em 2015). Na ocasião, ele narrou um estupro violento e deixou muita gente atônita. Aqui é possível assistir o programa na íntegra (a história do estupro começa aos 26 minutos). Porém, cuidado para o seu cérebro não derreter! É quase uma hora de machos sem inteligência alguma discutindo o nada, e eles ainda plagiam de forma totalmente sem graça o duelo de dança do filme “American Pie 3”. O retrato da televisão aberta: vazio e sem criatividade. Depois não diga que não avisei…

Muitas notícias dizem que Alexandre Frota narrou um “suposto estupro” na televisão. No entanto, embora eu entenda que jornalisticamente se deve usar “suposto” quando as pessoas não foram condenadas e não existem provas, até mesmo para se precaver judicialmente, o que Frota narrou foi um estupro. Ele é que é um “suposto estuprador”, pois não existem provas do crime e agora ele diz que tudo aquilo foi piada. Mas o que foi narrado É a descrição de um estupro.

Essa matéria aqui é uma das que mostram a comoção que foi gerada nas redes sociais na época  (mãe, tô no print!).

bastos

Bastos me respondendo no Twitter o clássico foi ~só uma piada~

O contexto da treta

Ano passado, Frota estava em cartaz com um “espetáculo” (se é que podemos chamar assim) no formato stand up chamado “Qual é o negócio?”. De acordo com diversos sites de agenda cultural e venda de ingressos, “é um espetáculo de humor, um ‘stand-up da vida real’, com histórias reais, onde Alexandre Frota, ator, apresentador, diretor de TV, e artista multimídia, conta com muito humor histórias incríveis de bastidores da TV, do teatro e de sua vida polêmica” (alguns exemplos aqui, aqui e aqui).

Vou explicar algo que pode ser muito básico e óbvio pra muita gente, mas que nem todo mundo sabe, principalmente quem não está envolvido com comunicação, cultura e/ou empreendedorismo: quando um espetáculo é lançado, são disparados releases pela própria assessoria de imprensa do evento, com informações gerais. Muitos sites, revistas e jornais acabam usando trechos desses releases, ou eles na íntegra mesmo. Se não usam, ainda assim, coletam informações com a própria assessoria ou produção do evento. LOGO, essas informações são do próprio evento, ok?

E se o stand up “Qual é o negócio?” foi amplamente veiculado como composto por histórias reais, como que Frota se defende dizendo que o estupro que ele narrou é “apenas uma piada” para divulgação do stand up dele? Não faz sentido.

Inclusive, durante a entrevista no programa de Bastos, Frota diz que não sabe fazer stand up (concordo) e que o espetáculo dele é de humor, autoral e B-I-O-G-R-Á-F-I-C-O. Ele afirma que são várias histórias que ACONTECERAM NA VIDA DELE e, para exemplificar, começa a contar quando “comeu” uma mãe-de-santo. Aí que começa toda a “polêmica”. Segundo a história que ele conta, enquanto ele e a mãe-de-santo interagiam, ele ficava pensando se ela era interessante ou não, se “dava jogo” ou não.

Ele decidiu que iria “comê-la” sem sequer ter rolado um clima, só olhou pro “bundão” dela e pensou: “vou pegar”. Ainda segundo a história, Frota disse pra ela que não acreditava “nessas paradas” (nos lances religiosos e tal), mas que queria dar uns “pegas” nela. Daí ela fica sem falar nada (consentimento, cadê?) e ele simplesmente vira ela, coloca de quatro, agarra pela nuca e começa a “sapecar”. Frota disse que fez tanta pressão na nuca dela que ela… “Dormiu”! E então ele e Rafinha Bastos morrem de rir do fato de a mulher ter sido “apagada”.

Frota encerra essa ~piada engraçadíssima~ contando que foi embora e deixou a mulher lá, jogada. É deprimente. E, além disso, esses dois idiotas ridicularizam o tempo inteiro o fato de ela ser uma mãe-de-santo e fazem vários comentários jocosos & preconceituosos envolvendo “macumba”, farofa, essas coisas.

"O negócio é comer cu e buceta, cu e buceta... À força!"

“O negócio é comer cu e buceta, cu e buceta… À força!”

Essa “polêmica” toda (coloco sempre entre aspas porque acho ridículo que muita gente trate esse assunto como mais uma excentricidade de Alexandre Frota e não como algo muito sério) mostra a necessidade de se discutir urgentemente – e de forma cada vez mais ampla – o que é consentimento. Estamos em 2015, e ainda temos que explicar que transar com alguém à força e DESACORDAR ESSA PESSOA é estupro, gente. É revoltante demais.

Muitas mulheres ficam paralisadas em situações de violência, outras tentam se defender e, mesmo assim, não conseguem escapar. Se as pessoas não conseguem ver nessa história que uma mulher, que estava interessada em usar apenas seus conhecimentos e crenças para auxiliar alguém, foi violentamente estuprada e desrespeitada, eu realmente não sei qual é a concepção de estupro para esta sociedade então. Se ele precisou segurar a nuca da mulher tão forte a ponto de ela desmaiar, isso já é um dos grandes indícios da falta de consentimento, por exemplo.

E a tentativa de Frota de subestimar a inteligência de quem o critica chega a dar dó, se não fosse algo trágico. Já assisti muitos stand ups e me interesso muito por roteiro em geral. Para Alexandre Frota e Rafinha Bastos, aquele ~causo~ mal contado pode ser considerado um sketch humorístico, mesmo?

Não que eu não duvide que eles realmente achem que aquilo é humor, infelizmente. Muitos humoristas brasileiros disfarçam a própria incapacidade de construir uma narrativa interessante com piadas para crianças da quinta série, tipo “ai, sua mãe é tão gorda que comeu a própria cabeça e explodiu hua hua hua hua”. Mas, ainda assim, aquilo não é um sketch. É claramente Alexandre Frota contando uma história pessoal em um programa de entrevista, como costumam ser programas de entrevista. E ELE MESMO DIZ QUE O STAND UP DELE É BIOGRÁFICO, CARAMBA!

Juntando as peças

Ainda que o relato fosse ~só uma piada~, o que não acredito (pode ser uma história contada com alterações, omissões & ênfases, mas a essência parece real), ser ~só uma piada~ não torna as coisas isentas de discussão, oras. É rindo que vários preconceitos e violências são mantidos. E, pra ser sincera, não consegui identificar onde está a comédia da história até hoje. Tipo, piadas costumam ter algum ponto de surpresa, de virada de história, sei lá. Aquilo ali é só um cara se vangloriando por ter dominado uma mulher. Pior ainda, uma mãe-de-santo, oh!

Mas não acaba aí. Em 2004, Frota foi acusado de estupro por uma prostituta. Ela alega que foi ameaçada e teve que fazer sexo sem preservativo com ele. O caso não foi pra frente, o que não me surpreende. Nem toda prostituta pode se expor, e o caso estava ganhando notoriedade midiática. E nossa sociedade não se importa nem um pouco com violências cometidas contra prostitutas, infelizmente.

Aqui, aqui, aqui e aqui é possível ler sobre o assunto.

E mais. Nessa entrevista aqui, Rita Cadillac conta que, quando foi contracenar com Frota em um filme pornográfico, precisou colocar uma cláusula especial no contrato, porque ele tinha fama de bater nas atrizes. E após o filme, ele fez comentários pejorativos sobre a idade dela. Nada de novo sob o sol:

iG: O Alexandre Frota, que fez um dos filmes com você, disse há pouco tempo no programa do Danilo Gentili que contracenar com você foi “o maior erro” porque “parecia que estava transando com minha avó”. O que você achou disso?
Rita Cadillac: Eu gosto da pessoa Alexandre Frota, não do personagem Alexandre Frota. Não sei por que ele esta falando isso: eu ganhei bem e ele também. Como a fama dele era péssima, eu mandei colocar no meu contrato que, se ele encostasse a mão em mim para me bater, eu ia embora na hora.

iG: E por que isso?
Rita Cadillac: A fama dele na época é que ele batia, entendeu? Eu tinha medo que ele não me respeitasse e acabasse comigo.

Caso você esteja se perguntando o porquê de não vermos notícias sobre violências em sets de filmes pornográficos, vale relembrar: se a sociedade não liga para prostitutas, vai ligar para mulheres que estão fazendo filme pornô? E críticas à esse meio são comumente vistas como “moralismo”, mesmo que estejam geralmente problematizando a violência sofrida por  mulheres. Tanto que já vi muita gente perguntando “ah, cadê essa mãe-de-santo então?”, bem como muita gente deve estar se perguntando agora onde estão as atrizes que apanharam dele ou a prostituta que ele ~supostamente~ coagiu. Não é simples assim colocar a cara à tapa, principalmente se você é uma mulher marginalizada pela sua profissão, religião, cor, condição social, etc. E muitas mulheres que conseguem criar coragem para denunciar abusos são chamadas de aproveitadoras, oportunistas e/ou mentirosas, que é o que Frota está fazendo agora com…

Frota x feministas

…Sâmia Bonfim, uma militante feminista que foi pega para ser bode-expiatório (porque, convenhamos, ela não é a única que acha que ele é um estuprador) e está sendo processada por ele. Ela fez um evento no Facebook reunindo pessoas que ficaram indignadas com a declaração dada por Frota e, em abril, ele tentou intimidá-la por mensagens, como pode ser visto aqui nesse link. Em julho, ela revelou que está sendo processada, por ele, por calúnia e difamação. Estranho, não? Pois, relembrando, ele mesmo disse várias vezes que as histórias do stand up dele são baseadas em fatos reais. Leia aqui  e aqui a história completa do processo.

Em muitos casos de violência contra a mulher, os caras já eram notoriamente misóginos, violentos e abusivos. Eles costumam mostrar, pela forma que agem e falam, o desprezo que possuem por mulheres. Tanto que, até hoje, Frota sequer conseguiu ver o absurdo de sua declaração e nunca articulou uma resposta decente ao debate que foi gerado. Os questionamentos gerais envolvem estupro, consentimento, preconceito religioso e possivelmente racial (visto que muitas pessoas praticantes do Candomblé são negras), entre outros. Ele só bate na mesma tecla: piada, piada, piada, piada.  Frota pode falar o que quiser, mas as mulheres não podem dizer o que pensam?

Agora, além de continuar recebendo migalhas de atenção midiática por conta do processo que está movendo e mantendo o nobre status de subcelebridade decadente, Frota resolveu transformar a questão em um embate contra as malvadas feministas. Fácil, né? Mulheres já são loucas e exageradas, segundo o imaginário popular. Feministas, então, pior ainda. Então claro que todas essas mulheres que alegam coisas contra ele (e muitas outras que devem existir mas nunca vieram à tona) são apenas umas “loucas”… O que são os relatos de várias mulheres contra a palavra de um homem, não é mesmo? E o comportamento dele mostra como ele ama mulher (só que nunca).

Ser misógino não é ser autêntico, ao contrário do que ele pensa. Até porque a misoginia é epidêmica e praticada de forma generalizada.

A piada de Frota só pode ser ele mesmo.

—–

Clique aqui para participar de campanha de apoio à Sâmia Bonfim.

—–

Leia também: “Estupro é invenção de maluca”

Curta no Facebook: Vulva Revolução

Anúncios