440

DEZ COISAS QUE HOMENS FAZEM ERRADO DURANTE O SEXO

Esta postagem foi escrita pela autora do blog Deixa de Banca. 

Homens que se relacionam com mulheres: aprendam alguma coisa aí! Mulheres que se relacionam com homens: comecem a se posicionar cada vez mais! E é isso. Aproveitem a leitura. 

Tudo bem, vivemos numa época de liberação sexual. Embora isso signifique mais sexo, não é a mesma coisa que sexo bom. O discurso da liberdade sexual trouxe pouco para mulheres heterossexuais além de trepadas medíocres. Isso porque, com séculos de sexualidade construída apenas para satisfazer o desejo masculino, homens não sabem trepar com mulheres. Eles não sabem do que a gente gosta. Eles não sabem como o nosso corpo funciona. Por vergonha, por medo, por não entender se o problema é com nós mesmas, ficamos caladas. E aí se perpetua o ciclo do sexo seco, dolorido, sem graça, fingido. Minas, se o cara estiver mandando mal, não se calem! Nenhuma de nós é obrigada a lidar com os erros abaixo:

Tookhimtotheskygarden_1000

Ilustração de Polly Nor

1) Achar que sexo é só penetração

Eu posso estar pelada com um cara na cama, chupar ele, ele me chupar, todo mundo gozar e dormir de conchinha, mas ele não vai considerar que a gente fez sexo. Isso porque o sagrado pau dele não abençoou minha buceta. Por que só é “sexo de verdade” quando rola penetração, sendo que nem é assim que mulheres gozam?

É isso aí. De acordo com diferentes pesquisas, o número de mulheres que gozam com penetração varia de 50% a até mesmo 7%! Quando gozamos com algo dentro da gente, ainda assim provavelmente foi porque nosso clitóris estava sendo estimulado. É nele que está toda a graça! Passei boa parte da minha vida sexual me perguntando se eu tinha algum problema por não sentir tanto prazer assim ao ser penetrada, mas a verdade é que está tudo ok comigo. Eu só estava transando com caras que não reconheciam o poder do clitóris.

2) Começar a te chupar antes de você estar pronta

Você provavelmente já conheceu um cara assim. Ele ama chupar buceta. Muito. Ele gosta de tudo: do cheiro, do gosto, da sensação das suas coxas contra a cabeça dele. Mas, principalmente, ele ama falar sobre o quanto ele adora chupar buceta. É como se, ao te chupar, ele estivesse te fazendo um favor. Um rapaz com quem costumava sair já cometeu o desplante de dizer que eu tinha “sorte de ele gostar de fazer oral”, já que era o único jeito que eu conseguia gozar.

Bom, aí vai um recado: chupar minha buceta não é um favor. Não te faz um cara melhor do que os outros. Não te torna especial. Com esse ego inflado e senso frágil de identidade, você conseguiu transformar até um momento que deveria ser focado no meu prazer em algo sobre você.

Dito isso, muitos homens ficam tão empolgados em conquistar o selo especial de Rei da Chupada que se esquecem do essencial: eu tenho que estar pronta. Se você começar a me chupar do nada, sem nenhuma ação antes, com a minha buceta seca, é bom preparar o fôlego. Porque eu vou demorar para gozar. Bastante. Vou demorar tanto que vou começar a me preocupar se você já não está cansado e fazendo só por obrigação. Será que tem algo errado comigo? E se eu me concentrar bastante?

A partir daí, das duas uma: vou fingir um orgasmo para não ferir seu ego, se eu estiver me sentindo particularmente bondosa. Ou então vou pedir para você parar, porque hoje não vai rolar, tudo bem? Para sua boca encostar na minha buceta, eu tenho que estar implorando por isso. Tem que ser a única coisa em que eu consigo pensar naquele momento. Para me fazer chegar a esse estado, recomendo esse texto aqui.

3) Achar que sexo é performance

“Um cara já me disse que achou broxante porque eu ri do barulho da bola dele mexendo. Sei lá, era engraçado, desculpa. Não tô ali para ser a mulher sensual, perfeita, que só geme e goza. Parece que tem que tudo ser um momento sexy, selvagem, santa por fora, devassa por dentro”, desabafou uma amiga minha.

Acho que boa parte das mulheres passa pela meta-experiência de se imaginar trepando… enquanto trepa. Minha aparência deveria ser a última coisa com a qual eu deveria me preocupar, mas cá estou eu de quatro na cama me perguntando se meus peitos dependurados são realmente tão estranhos assim. De alguma forma sinto que não correspondo aquele ideal de deusa do sexo que me foi incubido, mas percebi que isso não é um problema.

O problema é achar que trepar é igual nos filmes, no pornô, na televisão, nos livros. Não é limpinho e antisséptico. Às vezes acontecem barulhos engraçados. Às vezes eu vou estar com uma calcinha puída. Às vezes eu não vou saber direito fazer alguma coisa. E tudo bem.

4) Bancar o machão

Nós, mulheres, ganhamos a fama de frígidas, mas pouco se fala sobre o quanto homens são travados durante o sexo. Qualquer coisa que ameace a posição deles como cabra macho é considerada um perigo. Parece que curtir ter o mamilo chupado ou levar uma pegada na bunda é “coisa de viado” e, portanto, algo a ser evitado a todo custo. Se soltem. Se deixem gemer. Deixem a gente descobrir os corpos de vocês.

5) Não prestar atenção nas reações da parceira

Tá, a mina não precisa se comportar igual uma atriz pornô, mas se ela estiver estatelada na cama, parecendo mais morta do que viva, alguma coisa está muito errada. Quando a gente curte, a gente mexe o corpo, geme, faz caretas bizarras, olha nos olhos, as pernas tremem. Se nada disso estiver rolando, as chances de você estar mandando mal são de 99%.

Pare e converse com a mina, pergunte se está tudo bem, se ela quer continuar, se tem alguma coisa que você pode fazer. É muito comum que mulheres tenham medo de mandar a real e dizer que não estão curtindo, justamente por termos sido ensinadas a agradar o cara e nos submeter ao que ele quer na cama.

6) Não perguntar nada

Nas cenas de sexo que vemos na televisão e nos filmes, trepar parece tão fácil e natural quanto espirrar. Os corpos se encaixam confortavelmente um no outro, as mãos sempre sabem o que fazer, cada instante é fluido e perfeito. O sexo na vida real tem o ritmo mais parecido com o de um motor que demora para engatar. Vai demorar um tempinho até que você e o seu parceiro saquem o ritmo e as preferências do outro. Algo que pode agilizar esse processo é fazer perguntas. Isso não é broxante. Broxante é achar que está arrasando fazendo uma parada cuja única reação que desperta na mina é vontade de bocejar.

Outra coisa: talvez você tenha preferências mais específicas, como xingar, bater, gozar em determinadas partes do corpo. Nunca é tarde para pesquisar um pouco sobre Andrea Dworkin, mas pode ser que você ainda não se sinta emocionalmente preparado para desconstruir seu comportamento sexual. Então, pelo amor de tudo que é sagrado, pergunte ANTES para a mina se ela curte ser chamada de vadia ou ser amarrada no sofá e obrigada a assistir a uma maratona de Big Bang Theory dublado.

7) Ter nojo

Vamos pensar um pouquinho sobre o que sexo é: você lambendo a genitália de outra pessoa. Você enfiando a genitália de outra pessoa na sua genitália, ou vice-versa. Você passando e enfiando os dedos na genitália dela. Isso envolve saliva, gozo, suor, pêlos, às vezes sangue menstrual. São dois corpos fazendo coisas que corpo fazem, o que pode significar cheiros e barulhos estranhos. É normal. E, sim, mulher tem corrimento, então secreções parecidas com catarro podem sair da vagina dela ou estar na calcinha dela. Superem. E nenhuma mulher vai ter a pele imaculadamente lisa e livre de pelos, a não ser que ela tenha um caso muito grave de alopecia.

Por outro lado, é sempre importante lembrar que uma lavada no pinto nunca é demais.

8) Acelerar o ritmo na hora que percebe que você vai gozar

Parece que o truque de mágica favorito de alguns homens é fazer seu orgasmo desaparecer. Naquela hora em que ele finalmente acerta no ritmo na hora de chupar ou te masturbar, você está quase chegando lá, começa a gemer, as pernas tremem e… o cara acelera feito uma britadeira. Mais uma vez enganado pelo pornô, ele acha que, indo mais rápido, vai fazer você gozar logo. Se você fez alguma coisa que me deixou próxima de gozar, a coisa mais lógica seria continuar, em vez de mudar completamente o que você estava fazendo, certo? A não ser que você seja adepto de tortura sexual.

9) Não usar camisinha

Essa dica é tão óbvia que não deveria estar aqui, mas muitos caras acham que têm um pinto de ouro imune a DSTs. Insistir para que a garota não use camisinha é desrespeitar a saúde dela. Isso sem falar nos Demônios Sexualmente Transmissíveis, também conhecidos como bebês. Portanto: encape o pinto.

10) Exigir boquete a base de empurrões

Vamos supor que você está dando umas beijocas em um rapaz dentro de um carro. Ele começa a fazer um carinho no seu rosto que romântico!, você pensa , até que a mão dele desliza para sua nuca e começa a forçar sua cabeça pra baixo. Esse é um jeito nada sutil que alguns homens encontraram para dizer que querem ser chupados. O ataque pode acontecer do nada, numa situação em que sexo nem havia entrado em pauta. “Mulheres não são acometidas por uma vontade súbita e instantânea de chupar seu pinto do nada”, esclarece uma amiga. Querido, espere a menina tomar a iniciativa ou então peça, com palavras, educação e em contextos adequados. Você consegue.

Leia também (esses foram escritos por mim):

Anúncios
0

“Não é uma história particular, é um momento histórico”

Após conversa informal com a jornalista Gabriela Sobral – pessoa maravilhosa e uma das minhas melhores amigas –, decidi convidá-la para escrever um pouco do que ela me disse aqui no blog. Ela me fez pensar em um nível mais particular sobre a importância de políticas multiplicadoras, ou seja, que capacitam e empoderam as pessoas e permitem que essa capacitação e empoderamento possam ser repassados. Porque não dá para centralizar poder e dinheiro em uma mão só ou pensar apenas em ensino técnico a fim de se ter uma mão de obra mais qualificada. Precisamos transformar as pessoas em personagens principais das próprias vidas. Outro aspecto interessante que ela abordou é o fato de que temos sim que botar para fora as nossas ideias, debater. Conhecimento é uma coisa que a gente constrói coletivamente e, enquanto mulheres, somos treinadas a achar o que a gente pensa irrelevante. Não é.

Esse é um texto pessoal em um blog pessoal, então caso esperem uma análise política bem técnica, não vai ser aqui, nesse post. E embora eu tenha críticas ao governo atual, como todo mundo (/serracomedor, sdds eleições 2010), acredito que dentro das nossas escolhas atuais, o prosseguimento dele é ideal para a continuação da construção de uma sociedade mais justa. E vamos torcer para que os debates só cresçam e na próxima vez, o poder legislativo eleito no Brasil seja menos triste, conservador, religioso, militar, empresário, zuero, machista, homofóbico, etc.

Fiquem com o texto de Gabriela:

As eleições chegaram e agora já, quase, passaram. Parafraseando Drummond, foram tempos de partidos, foram tempos de mulheres e homens partidos. Contudo, ninguém pode negar que o debate é mais que salutar (claro, aquela conversinha coerente e não o discurso de ódio como vemos na maioria das vezes). Debatendo, você não só afirma os preceitos democráticos, coloca-se na esfera de debate, vê-se como parte da sociedade civil, como também passa a refletir sobre coisas que você acredita, mas que ficavam silenciadas. Por isso, hablar é importante para que sua voz ganhe legitimidade, mesmo que seja ali naquele bolo com café ou no sanduba nojento com a amiga. Ninguém precisa estar na Globo. Acredite, é nos micro espaços que ocorrem as transformações.

Suas percepções políticas se constroem por motivações culturais e pelo conhecimento adquirido, nas instituições rígidas como a escola, universidades ou na convivência familiar, no vai e vem da rua mesmo. O importante é você usar suas experiências, colocando-se num todo, pois é na coletividade que se produz os grandes arranques sociais. Por isso, coloque o seu discurso na roda, nada de risinhos e acenos de sim com a cabeça. Fale! Só assim criamos novos espaços de discussão e legitimamos nossas causas.

Eu respeitei muito isso, nessas eleições, abstive-me algumas vezes, preguiça mesmo. Outras tive que respirar fundo e ir adiante. Não foi fácil ouvir referências à presidenta Dilma como “vagabunda”, “safada”, “cachorra”. Essa misoginia me deixava doente, triste de verdade. Pensava como uma mulher presa e torturada, em um dos períodos mais cruéis, pode ser chamada assim.

Por isso, decidi trazer as coisas nas quais acredito; a minha história de vida para o contexto no qual estou inserida, pois o debate, o lugar da fala é o lugar da construção simbólica, na qual temos que buscar nossa representatividade. Olhando sempre para o lado, analisando sempre o contexto social, pois é nele que se dá a vida. Claro que as criações artificiais são importantes e a questão econômica mais importante ainda. Contudo, acredito que as políticas sociais – isso quer dizer políticas que têm um caráter de alcance e transformação na vida social e não só em termos estruturais – equalizam outras tantas questões que fogem às análises tecnicistas.

Essa coisa de olhar pra fora, de se retroalimentar das experiências, como forma de perceber o que anda acontecendo, eu aprendi desde criança. Minha mãe sempre foi professora. Mas foi graças à expansão e revitalização do ensino universitário, iniciado no governo Lula, que ela pode fazer mestrado e depois prestar concurso para graduação em letras libras na Universidade Federal do Pará. Isso, é claro, melhorou nossa vida financeira, mas melhorou ainda mais a vida da minha mãe, a minha vontade de também me qualificar, a autonomia dela, que, hoje, chefia a faculdade de línguas modernas e estrangeiras da UFPA. Além disso, pude escolher onde estudar, vim morar em Brasília, hoje curso um mestrado profissional, no IPHAN, que também faz parte das novas políticas. Enfim, tive oportunidades imensas, não só porque minha mãe se beneficiou, mas porque houve um investimento no ensino público e porque eu estava imersa em um momento de produção de conhecimento, de auto estima, de mudanças, de um um presente bom e palpável e um futuro a vir .

As políticas públicas são feitas a partir do princípio das escolhas drásticas, no caso, reestruturar o ensino superior. Com isso, não é só a Liza que passa a ser uma funcionária pública e ganhar mais, são os filhos da Liza que passam a ter mais condições de investir em suas carreiras, o filho da Liza que passa a ver a mãe (mulher) como chefe de família, a filha que recupera a tranquilidade e passa a investir na sua vida, a Liza que pode ajudar o neto, a Liza e todos e todas que a cercam passam a viver um momento histórico/social de desenvolvimento pessoal e material. Não é uma história particular, é um momento histórico.

Acho que o discurso do “vamos cortar gastos”, “vamos enxugar a máquina pública”, “a máquina está inflada” é reducionista. O aumento de programas sociais, a criação de programas e políticas públicas requerem uma estrutura burocrática mínima. O Ministério da Justiça, por exemplo, que, antes, só cuidava das suas ações básicas passar a ramificar a sua atuação para alcançar a sociedade civil.

Não funcionando como uma estrutura hermética, mas uma estrutura que incorpora e chega às pessoas. Hoje, ampliou-se as ações da comissão de anistia, com isso criou-se o movimento da comissão da verdade, o ministério passa a ter uma política efetiva contra o tráfico humano. Enfim, para isso, sim, os ministérios vão inflar, crescer. As políticas econômicas tem que ser contempladas? Óbvio. Mas atentemos para esse discurso do corte. Pois, a longo prazo, as políticas sociais que transformam uma sociedade.

Tudo isso mostra que minha história pessoal influi no meu voto? Sim. E isso é bom, pois mostra o quanto eu sou preenchida pelas minhas experiências. Aquele que diz em afastamento ou isenção, parece-me vazio. Agora, isso não significa individualismo. Pelo contrário, foi pela minha vivência e, principalmente, pela trajetória da minha mãe que pude aprender a colocar a Gabriela na prática social e aprender a ver o todo.