3

Beleza, feiúra, estigmas e xingamentos como ferramentas para silenciar mulheres

“Quando se atrai a atenção para as características físicas de líderes de mulheres, essas líderes podem ser repudiadas por serem bonitas demais ou feias demais. O resultado líquido é impedir que as mulheres se identifiquem com as questões. Se a mulher pública for estigmatizada como sendo ‘bonita’, ela será uma ameaça, uma rival, ou simplesmente uma pessoa não muito séria. Se for criticada por ser ‘feia’, qualquer mulher se arrisca a ser descrita com o mesmo adjetivo se se identificar com as ideias dela”

Naomi Wolf em O Mito da beleza: como as imagens de beleza são usadas contra as mulheres

Desde cedo, garotas são doutrinadas a acreditarem que são inferiores e incompletas. “Menina não pode fazer isso”, “se você falar assim, ninguém vai te querer”, “tira a mão” daí” ou “comporte-se como uma mocinha” são frases comumente utilizadas durante todo o processo de tentar transformar um ser humano do sexo feminino em uma mulher. É claro que o repertório varia de acordo com fatores como cor de pele, condição econômica, etnia, peso e afins, até mesmo porque existem hierarquias entre as próprias mulheres. Enquanto se exige força de umas ou delicadeza de outras, por exemplo, é possível detectar a existência de alguns pontos em comum. Um deles é a validação masculina como um mecanismo que, a partir de premissas irreais e excludentes, define o quanto uma mulher vale.

A partir da crença de que é incompleta, uma mulher começa a ser vista como menos despedaçada a partir da legitimação de um homem – ou de vários. Porque não basta um ficante, um namorado, um marido, é preciso também agradar aos passantes na rua, o vizinho, o chefe e o olhar masculino generalizado que embasa os padrões atuais de beleza e de comportamento. Em 1975, o conceito de male gaze (ou olhar masculino, em tradução livre) foi cunhado no artigo Visual Pleasure and Narrative Cinema, da feminista e crítica britânica Laura Mulvey. O texto basicamente argumenta que as mulheres são representadas nas telonas como objetos que devem agradar a ótica do homem “padrão” – ou seja, do cara que possui algum poder de consumo e respaldo no meio em que vive. A provocação ainda hoje gera debates e foi estendida por diversas teóricas feministas para a sociedade como um todo pois esse olhar vai além dos enquadramentos de câmera.

Pouco antes da Mulvey, o crítico cultural John Berger, também britânico, escreveu no livro Ways of seeing (que tem série televisiva de mesmo nome) sobre como homens olham para as mulheres enquanto as mulheres olham para si mesmas sendo observadas pelos homens. Ainda que o foco dele tenha sido nos cânones da arte ocidental, essa análise pode se enquadrar também para além das galerias e afins. Logo, considerando tudo isso e partindo desses pontos, as mulheres se pegam constantemente preocupadas com a própria aparência, com o próprio comportamento, com as próprias escolhas. Com tudo. Não é possível falar ou viver livremente pois a necessidade de aceitação é mais do que uma questão social: em muitos casos, significa também algum tipo de segurança, ainda que ilusória.

vulvazine.png

Ilustração exclusiva pela artista Mariana Destro

Ilusória pois, na prática, as mulheres que agradam o olhar masculino também sofrem assédios e coisas do tipo, ainda que as que não agradem costumem sofrer mais violentamente e constantemente as consequências de serem quem são. Como já falei, a respeitabilidade da mulher é medida por quanto um homem – ou um conceito que parte do olhar masculino – define o valor dela. A escritora nigeriana Chimamanda Ngozi Adichie discute em Sejamos todos femininistas (famoso discurso que virou também um livro) sobre como perdemos muito tempo ensinando as meninas a se preocuparem com o que os meninos pensam delas.

É desde cedo que as mulheres aprendem a observar a si próprias a partir de fundamentos que partem do olhar do outro – e se constroem com base nessa visão. A autora fala também que os homens são pressionados a serem sempre durões e acabam com o ego muito frágil, afinal, quem consegue ser “machão” e indestrutível o tempo todo? Isso faz com que as mulheres acabem empurradas para estarem sempre cuidando do frágil ego masculino. Não basta terem que lidar com as expectativas que os homens possuem delas, é preciso também cuidar dos sentimentos deles em relação a eles mesmos. Esse trabalho emocional é extenuante e faz com que as mulheres se diminuam para que a grandeza masculina possa ser enaltecida.

Portanto, é possível perceber que o olhar masculino não é apenas um enquadramento reducionista, mas também utópico: deseja mulheres perfeitas e imóveis, como pinturas a óleo, ao mesmo tempo em que é desejável que elas sejam emocionalmente e/ou fisicamente fortes e façam tudo por eles. O objetivo é que elas continuem a servir como esposas-acessório ou mão-de-obra precarizada sem reclamar muito e, apesar de tudo, sonhando com um príncipe encantado que mostre para o mundo, a partir do reconhecimento dele, o quanto elas são valorosas e merecedoras de coisas boas. Dentro desse cenário, o discurso da mulher é fortemente atrelado à aparência dela e, como mostrado na frase da Wolf que foi colocada ali no início deste texto, não existe saída.

Uma mulher considerada bonita será tratada como uma ameaça ou terá o rótulo de burra atrelado à ela, para que suas palavras percam força. Uma mulher considerada feia será ridicularizada, e todos os seus questionamentos serão tidos como frustração, queixa, bobagem. Além disso tudo, existe uma força patriarcal que busca desunir as mulheres fazendo-as terem medo de ter uma opinião. “Nossa, mas você é tão inteligente, e concorda com essa daí, que é burra, e só conseguiu publicar um livro porque dormiu com alguém, porque é bonita?” ou “claro que você concorda com essa baranga, você é baranga também kkkkkkk” ou “quem pensa igual à Fulana é porque é feia que nem ela” ou “quem pensa igual à Cicrana é porque é fútil que nem ela” são algumas das muitas frases possíveis, e o intuito de todas elas é o mesmo: calar a voz de mulheres – e diminuir a força do discurso delas.

No período das últimas eleições isso foi exemplificado com clareza. Quem votasse em sei lá quem era mais bonita, quem fizesse isso ou aquilo era feia. Perceba que as que recebiam elogios eram sempre as que estavam de acordo com a vontade dos homens que proferiam as categorizações, óbvio. E isso acontece o tempo inteiro, em todos os espectros políticos, mas não dá para negar que mais em uns do que em outros.

Quanto mais medo uma mulher tem de expor as próprias opiniões ou de endossar a opinião de outras mulheres, mais difícil fica unir demandas em comum. Não é à toa que tantos homens gostam de rotular feministas como feias, peludas, mal comidas, lésbicas e etc, como se, oh, essas coisas todas fossem muito ofensivas. São justamente as feministas que estão tentando libertar as mulheres das amarras do patriarcado e, por isso, são consideradas perigos que devem ser combatidos. E não é à toa também que, infelizmente, mulheres em geral e até mesmo muitas que se consideram feministas tentam se vender como dóceis, tranquilas, depiladas e heterossexuais para não serem colocadas no mesmo pacote das que desagradam o olhar masculino.

É uma armadilha perfeita essa em que as mulheres foram colocadas: voz, aparência e, consequentemente, peculiaridades e necessidades acabam soterradas embaixo do constante medo de sofrer violência, rejeição e tudo mais. Consideradas e tratadas como incompletas, um rompimento brutal com um sistema machista que julga e oprime se torna difícil, afinal, é preciso sobreviver. Além disso, afeto, autoestima, segurança, emprego e afins são também coisas importantes que podem estar em jogo quando uma mulher se posiciona assertivamente, se veste e comporta como quer ou abala as estruturas de poder ao redor dela. A possibilidade da estigmatização está sempre por perto, como um sopro quente na nuca que causa medo e incômodo. Como uma eficaz tática de vigilância.

O que fazer, então? Também estou tentando descobrir. Penso em algumas saídas, como, por exemplo, seguir lutando cotidianamente contra os mil tentáculos do racismo, uma das maiores ferramentas utilizadas para manter padrões de beleza e, principalmente, desigualdade social e econômica. No Brasil, o fenótipo que mais sofre preconceito é também o que mais precisa garantir os próprios direitos, e isso não é coincidência. Não é coincidência perceber que quando uma mulher negra levanta as próprias questões logo tenha o próprio comportamento rotulado como “raivoso” ou escute alguma ofensa em relação à própria aparência, porque o intuito não é apenas silenciá-la naquele momento e sim fazer com que ela se desgoste tanto a ponto de silenciar-se nas próximas vezes por conta própria – e internalize o papel de subalternidade.

Outra coisa importante é que mulheres em geral rompam com o ciclo da vigilância e parem de julgar umas às outras por conta de roupa, peso, cabelo, relacionamento e afins. Isso é algo que só colabora com a criação de mais estigmas e com a desunião feminina. A vadia de amanhã sempre pode ser você. A feia de amanhã também. A isolada. A que não merece nada. E assim vai. Isso não significa que todas as mulheres devem ser melhores amigas ou que nunca possam ser criticadas, só significa que é importante ultrapassar as fronteiras da misoginia para que mulheres possam ser julgadas, para o bem ou para o mal, a partir de motivos concretos e relevantes.

Não acaba por aí. Seria interessante se as mulheres tivessem um olhar mais justo e amoroso não apenas com as companheiras ao redor, mas com elas próprias. É preciso tentar construir um novo universo em que a luz interior emane de dentro para fora, e não o contrário. É preciso aceitar a própria humanidade e imperfeição ao tentar edificar uma percepção nova sobre si mesma que não parta apenas do olhar do outro. Longe de mim tentar soar como uma espécie de autoajuda cretina. Só acho que, em um nível individual, pode ser importante tentar se conhecer melhor para, a partir daí, se definir a partir dos próprios gostos e desejos e não da mera vontade alheia. Isso ajuda mulheres a observarem melhor quem são, quem querem ser e quem podem ser para além das expectativas do desejo masculino. E ajuda também a bloquear julgamentos destrutivos.

A partir do ponto anterior, é possível ampliar o olhar em relação a mulheres admiráveis e buscar referências e informações que valorizem mais do que rostinhos considerados bonitos. Tenho uma amiga que é fã da Marilyn Monroe, por exemplo, e ela sabe várias coisas interessantes sobre a carreira dela que envolvem aulas de atuação e envolvimento com política. E existem mulheres de muitas outras áreas que merecem reconhecimento porque escrevem, cantam, ensinam, tocam um instrumento, pilotam aviões, rebocam paredes, pesquisam ou fazem milhões de outras coisas de uma maneira formidável.

Muitos são os homens reconhecidos pelos talentos e habilidades, inclusive homens considerados feios pelo padrão vigente. No entanto, essa sociedade faz com que as mulheres precisem sempre passar por avaliações estéticas e a partir do momento em que agradam ou não o olhar masculino é que o destino delas é traçado. E nesses tempos hiperimagéticos, principalmente, muitas pessoas são glorificadas simplesmente por se “manterem jovens”, possuírem dinheiro e estarem dentro de um padrão branco e heteronormativo de beleza. Ultrapassar esse ciclo é não apenas reconhecer o trabalho de outras mulheres, mas adquirir mais conhecimentos e trabalhar a própria inteligência – porque esse culto à aparência é também uma forma de estimular emburrecimento coletivo, controle social e gatilhos de consumo, né?

Dentro de uma sociedade que se organiza a partir de hierarquias diversas, as mulheres se tornam ainda mais vulneráveis (psicologicamente, economicamente e afins) dependendo do lugar em que se encontram dentro dessa escala – embora, de um certo modo, todas estejam correndo riscos. Sim, meu sonho é chegar em um patamar que ofensas ridículas não façam nem cócegas em mulher alguma e todas apenas sigam em frente, conquistando mais e mais vitórias. Mas sei que não é fácil e que cada uma tem sua realidade específica, com problemas e questões específicas.

De qualquer modo, conseguir construir essa noção de que uma atuação em rede fortalece grupos e de que o poder estabelecido realmente possui uma estratégia em curso que tem o intuito de silenciar mulheres e desmobilizar a luta feminina por direitos é fundamental. Dessa maneira, fica mais fácil erguer um escudo que auxilie nos momentos difíceis e blinde de ofensas gratuitas. Ah, um idiota te chamou de feia? Isso diz menos sobre sua aparência e mais sobre a capacidade argumentativa dele e sobre os medos de um frágil ego masculino que teme mulheres com poder, autoestima e espaço. A admiração condicional, passageira e nem sempre verdadeira do olhar masculino é infinitamente menos importante do que as reais vontades, necessidades e desejos de uma mulher. Que todas possam um dia falar e ser, sem medo.

2

Sobre o processo de se transformar em uma publicação impressa

Queria ter escrito este post aqui há mais tempo, porém, ando vivendo uma deliciosa bagunça nômade que me faz morar oficialmente em uma cidade e estudar em outra. Tenho me dividido entre milhares de coisas pra fazer e preocupações excessivas (oi, ansiedade). Além disso, quase assassinei o meu computador pela segunda vez, derramando água de coco nele (a primeira foi quando tive a brilhante ideia de limpar o teclado com lenços umedecidos). Andei também viajando para lugares fora da minha rota, uma das viagens como parte de um lindo projeto educativo e a outra de férias mesmo. E etc, etc e etc. Conto tudo isso apenas para justificar meu sumiço, pois com certeza o que listo aqui não me traz muitos motivos para reclamar (tirando a ansiedade e o computador molhado).

Agora que finalmente parei para sacudir a poeira do blog (estava com saudade), trago boas notícias: realizei um financiamento coletivo entre abril e maio deste ano com o intuito de arrecadar dinheiro para imprimir uma publicação independente. Felizmente, deu tudo certo e, por isso, o conteúdo da Vulva Revolução passou a ser algo que existe também no papel – é um zine! Como sou fruto dos rolês alternativos e do do-it-yourself, essa foi a linguagem que conheço e decidi utilizar para reunir parte do material escrito por aqui até hoje. E essa foi a maneira que escolhi para dizer que sou uma autora capaz de escrever em diversas plataformas. E, não vou mentir, é mais barato e fácil de produzir do que um livro, heh (que é algo que também está nos meus planos). Mas não quero, com esse comentário, criar nenhuma hierarquia, cada coisa tem sua estética, seu espaço, sua importância e sua razão de ser.

A ideia de fazer uma publicação a partir de textos aqui do blog era alimentada desde o ano passado. Sempre gostei muito de livros, revistas, zines, folhetos e afins. Ouvir o barulho de páginas virando, analisar formatos e o tipo de papel, bem como a beleza ou estranheza das imagens é muito agradável, não é mesmo? A experiência impressa é um romance em si mesma. E, além do mais, o que está no papel me parece ter um tipo de circulação diferente do material online – agora participo de mais eventos, faço vendas & trocas, conheço várias pessoas ao vivo e estou chegando em novos lugares.

zinevulva

Vários zines, oba!

Claro que a internet tem o seu posto essencial de principal divulgadora das minhas ideias – e é o meu habitat. E ela e o papel são meios diferentes, mas que não se anulam. No entanto, o que está impresso ainda me parece, de alguma forma, mais respeitado como “conteúdo de verdade”. É o que te chancela como alguém que realmente produz – principalmente quando o seu principal veículo é um blog totalmente independente. Isso tudo pode até estar mudando, estamos começando a criar o hábito de ler em outros meios (eu mesma já sou adepta do Kindle faz muitos anos), mas minha experiência me mostra um interesse diferente por parte do público em geral quando você começa a organizar o seu próprio material no papel – mas não sei se um e-book ou algo assim causaria o mesmo tipo de reação. São muitas possibilidades, temos muito a pensar.

Planejei tudo sozinha, mas contei com o apoio de várias pessoas durante o processo de nascimento do zine (que teve um protótipo com uma tiragem de 20 unidades realizada no ano passado). Um amigo fez o vídeo para o site do crowdfunding, por exemplo, e mulheres com as quais possuo diferentes graus de proximidade (mas admiro o trabalho de todas) colaboraram com as ilustrações presentes na publicação (e com um dos textos exclusivos), tornando-a coletiva e plural. Aprendi ainda mais sobre as diferentes etapas intelectuais e burocráticas de se produzir algo no papel, o que não é novidade pra mim, por conta da minha profissão e de produções anteriores, mas que foi mais intenso por ser um projeto pessoal cuja existência se deu, inicialmente, por conta do meu próprio interesse. Foi um exercício de aprender a dizer internamente, e para os outros: “o que eu faço importa” e “se eu quero fazer, importa”. Os feedbacks que recebo ajudaram, pois são várias as mulheres que afirmam se sentir contempladas com meus questionamentos (que bom, pois essa é a intenção). E elaborei uma linha narrativa que orientasse o material de modo coerente, editei os textos do blog para o formato impresso, diagramei o zine, fiz orçamentos e pedidos das recompensas prometidas no financiamento coletivo (camisetas, bottons e adesivos), entre outras coisas.

Não vou mentir, fiquei bastante orgulhosa de mim mesma, ainda que uma ou outra pessoa pessimista tenha cruzado o meu caminho com frases como “é só um zine” ou “é só um blog”. Sempre vai aparecer alguém projetando as próprias frustrações no que a gente está fazendo, colocando o foco em pequenos detalhes e não no todo. Deu trabalho e atrasei algumas entregas, pois precisei de mais tempo do que esperava para terminar algumas coisas, mas valeu muito a pena.

No meio disso tudo, fiz um curso de Produção Gráfica com a Aline Valli, que era da Cosac Naify, e foi bom para aprender mais sobre aspectos práticos e estéticos de uma publicação impressa. Mesmo que o meu interesse principal seja a escrita, achei legal ter mais noção de todos os processos que envolvem a realização de um livro – ou de qualquer outro material do tipo. E uma das aulas foi justo no último dia de existência da Cosac, o que deixou a professora bem emocionada. Não fiz o curso por causa do zine, mas pelo interesse geral na área mesmo – tenho um crush no meio editorial como um todo. Só que acabou sendo útil, lógico. Conhecimento nunca é demais.

Acompanhar um financiamento coletivo é bastante agoniante – ainda mais quando você é uma pessoa ansiosa. Isso que o meu nem era assim tão difícil de alcançar, imagina os que contam com uma grana alta? Meu coração não aguentaria. É importante assistir os vídeos e recomendações desses sites de crowndfunding – graças a eles, consegui tirar várias dúvidas e fazer prospecções de metas – e conversar com outras pessoas que já passaram pelo processo (isso me ajudou a aprender bastante com erros e acertos de colegas). Uma divulgação constante é essencial, bem como uma boa comunicação com veículos grandes que se comuniquem com o seu público-alvo. Contei com a ajuda de alguns blogs, sites e páginas, e até mesmo parceria com festa famosinha de Brasília eu fiz, o que não gerou o retorno financeiro esperado, mas foi uma noite muito divertida e que também ajudou na divulgação.

O zine foi lançado oficialmente em Brasília, Rio de Janeiro e Belém e a tiragem inicial foi de 500 unidades. Alguns foram doados para mulheres que realizam projetos que se relacionam com feminismo, educação e afins (tive notícias de alguns sendo utilizados em oficinas de educação e gênero para jovens e adultos, e me emocionei). Paralelamente a isso, várias outras coisas foram e estão sendo feitas, algumas delas pretendo contar por aqui assim que tiver tempo (e ânimo) de novo. São muitas novidades, pensamentos, ideias, mas também muito cansaço e falta de energia, em alguns momentos. De vez em quando, essa era atual faz a gente se sentir sempre a correr sem saber muito bem para onde ir, não é? Tipo, me pego fazendo um monte de coisa e achando que não estou fazendo nada pois esse monte de coisa ainda não é necessariamente aquela idealização da minha cabeça de coisas que imagino que “deveria” estar fazendo. Confuso, eu sei.

Por isso, parei aqui para respirar e relatar esse processo. Meu intuito foi, de certa forma, prestar contas a todo mundo que me apoiou, além de incentivar outras mulheres a tocarem seus projetos e a encararem o que fazem como algo importante – não importa se a sua vibe é escrita, desenho, crochê, pintura, matemática, gastronomia ou games. Nem se é algo para um público grande ou pequeno – até porque isso varia com o tempo. O que importa é a gente existir e falar sobre a nossa realidade, desenvolver competências artísticas, criativas, intelectuais, ganhar experiências e estreitar laços umas com as outras. Gosto muito de assistir ou ler sobre processos alheios – de pequenos quadrinistas independentes a fotógrafos com fama mundial, sei lá  – e essa foi a minha contribuição para quem tem o mesmo tipo de interesse. Como escrevi em muitos dos bilhetinhos que enviei para vários lugares do Brasil, junto com os zines e as recompensas adquiridas: juntas somos mais!

Tem Vulva Revolução no FacebookTwitter e Instagram também, viu?