1

Feminismo suave não liberta, mas gera lucro

Por que o feminismo existe? Puxo essa provocação com o intuito de iniciar uma reflexão ampla e não de buscar uma verdade absoluta. No meu caso, por exemplo, acredito que uma desigualdade histórica entre os sexos – e não necessariamente entre os gêneros apenas – levou (e leva) pessoas do sexo feminino a forçarem o próprio acesso a espaços de educação, poder, lazer e outros. Assim como desigualdades em outros aspectos da sociedade, como a exploração e a discriminação de pessoas negras, fizeram com que grupos que compartilhavam opressões semelhantes precisassem (e ainda precisem) se organizar para conquistar direitos. Aliás, grupos minoritários diversos possuem histórias de luta igualmente diversas para contar. E elas se entrecruzam: existem mulheres negras e lésbicas, por exemplo, o que as tornam possivelmente mais suscetíveis a violências e exclusões motivadas por preconceito.

Claro que estou resumindo bastante questões que são bem complexas e abrangentes, mas faço essa introdução para que a gente possa começar a se entender. O que quero dizer é que o corpo é um território de disputa ou, como diria a artista Barbara Kruger, um campo de batalha. Portanto, dentro de um esquema que envolve a necessidade de domínio de corpos para criação e manutenção de poder, nascem diferentes narrativas sobre grupos sociais específicos com o intuito de confiná-los em papeis previamente determinados. Desse modo, se garante uma engrenagem onde muitas pessoas possuem deveres e poucas possuem direitos – e menos ainda possuem privilégios.

Se formos pensar no feminismo, ele é um movimento social que tem o objetivo de gritar para o mundo que os estereótipos sobre as mulheres estão errados: elas não são fracas, burras, incapazes, fúteis, inferiores, loucas por homens ou nasceram para a maternidade. No entanto, precisamos sempre lembrar do caráter político do movimento. Para que nossa humanidade seja levada em conta, não basta que a gente se sinta humana, não ligue para o que os outros digam e simplesmente aceite continuar vivendo na precariedade. O que busca nos desumanizar são ações específicas e cotidianas e a construção da nossa humanidade parte da destruição dessas ações. Um sentimento por si só não constrói creches ou aprova leis a nosso favor.

No Brasil, por exemplo, enfrentamos problemas como mulheres sendo mortas por parceiros e outros homens próximos, como se fossem objetos descartáveis, apenas por não desejarem mais manter um relacionamento. Existe também um alto nível de violência física, psicológica e sexual contra pessoas do sexo feminino em geral. E desde cedo precisamos nos acostumar com assédio de estranhos nas ruas – o que vejo como uma forma de terrorismo contra nossa “invasão” ao espaço público, que é relativamente recente. No espaço virtual, somos as mais atacadas. O aborto ainda não é descriminalizado no país, embora a pesquisadora Débora Diniz tenha a esperança de ver essa conquista tomar forma por aqui um dia. Mulheres negras ganham menos do que todo mundo e possuem menos acesso ao mercado formal de trabalho – e são as que sempre estiveram aí, na labuta. Adolescentes engravidam de homens mais velhos, mas o senso comum trata a questão como mera “safadeza” da parte delas, e esquece a responsabilidade que adultos deveriam ter. Entre outras coisas.

Em 1999, a pesquisadora Karen Giffin escreveu, em um artigo chamado “Corpo e conhecimento na saúde sexual: uma visão sociológica”, que “agora colocada na agenda feminista como direito, a definição da saúde sexual não tem avançado além do abstrato (…)”. E aponta questões que precisam de atenção, como o “novo perigo da AIDS feminilizada, da prostituição infantil internacionalizada no turismo sexual, da violência sexual globalizada contra mulheres e crianças, etc”. Será que dezoito anos após a publicação do artigo, conseguimos dizer, sem buscar no Google, quais as respostas que temos para tais questões, ainda tão atuais e urgentes?

De cabeça, provavelmente não. Mas se utilizarmos o Google, poderemos perceber que, sim, existem debates, propostas e outros artigos. Mas a maior parte das discussões aprofundadas estão restritas a círculos específicos. Os direitos sexuais e reprodutivos da mulher – que envolvem direito ao próprio corpo e a própria sexualidade, expressa como e com quem quiser – ainda protagonizam ferrenha disputa. A constante reformulação do mito da mulher como máquina-de-fazer-bebês, a pouca atenção que se dá à saúde sexual da mulher lésbica ou a prostituição sendo tratada primordialmente pelo viés da “escolha” mostra que ainda temos muitas batalhas. E que precisamos tomar as rédeas do debate público ao invés de procurar meios de dissolver o feminismo para torná-lo palatável.

Ás vezes me pergunto se estamos cometendo erros estratégicos. Onde estamos falhando? Já é 2017 e ainda é difícil debater questões relacionadas a pornografia, estética, violência sexual ou prostituição sem cair dentro da mesma ladainha de sempre, de que “mulher faz o que quiser”. A mídia mainstream e os homens adoram essa frase, mas apenas quando mulheres-fazendo-o-que-querem significa “liberdade sexual” e nudez (de corpos brancos e magros). Muitas feministas de grande alcance, principalmente as do tipo que utilizam o movimento para impulsionar a própria imagem sem necessariamente possuir um comprometimento coletivo, acabam abraçando essa falácia para que não precisem lidar com temas que não são populares. É uncool falar de abuso sexual, apontar agressores, problematizar a indústria da beleza – uma das poucas a não entrar em crise no país – ou desestabilizar muito o status quo, por exemplo. Corre o risco de a coisa fica chata demais.

Aliás, percebo que é nessa junção de mídia e homens (ou instituições historicamente masculinas – ou seja: quase todas, risos) legitimando o feminismo “correto” que um feminismo lavado passa a existir. Um feminismo chique, com roupas de marca, caras, bocas, batom, orgasmos múltiplos e cantoras pop postando fotos do grupo de amigas loiras com legendas tipo “girl power” ao mesmo tempo em que diminuem denúncias de racismo de colegas de profissão negras. Um feminismo que gosta de afirmar que é feminino, que não é como aquelas despenteadas, peludas, histéricas, exageradas, odiadoras de homem – ew, imagina ser confundida com uma lésbica!  Um feminismo que separa mulheres entre boas e más, que menospreza a construção teórica elaborada por pessoas do sexo feminino, que descarta o valor do envelhecimento e da experiência e propaga um sem-fim de frases feitas sem saber o porquê. E não questiona, profundamente, salários, acordos e papeis sociais. Um feminismo que poupa os homens e aponta todos os dedos para as “manas”. E que se estabelece mais como uma tribo urbana do que como um movimento social de fato: legal mesmo é ser uma it girl feminista.

barbie-propaganda

barbie. se você pode sonhar, você pode ser — uau, agora vai, hein! // propaganda da mattel, de 2014.

Em “Backlash: o contra-ataque na guerra não declarada as mulheres”, de 1991, a escritora Susan Faludi mostra como mídia, políticos, líderes trabalhistas e outras figuras tentaram (e ainda tentam) promover a ideia de que a mulher já conquistou tudo, mas se tornou infeliz por culpa do feminismo – como se tripla jornada ou desilusões amorosas fossem consequências do movimento, por exemplo. No entanto, ela prova como, na época, vários direitos ainda não tinham sido conquistados, mesmo com uma suposta autonomia da mulher sendo celebrada. Quando ela fala sobre “a natureza do backlash de hoje”, referindo-se aquele período, parece que estamos lendo algo sobre o momento em que estamos agora:

A mulher reprimida do atual backlash distingue-se das suas predecessoras pois quer fazer parecer que escolhe a sua condição duas vezes – primeiro como mulher e segundo como feminista. A cultura vitoriana definia “feminilidade” como sendo aquilo que “uma verdadeira mulher” deseja; na estratégia de mercado da cultura contemporânea, também é o que uma mulher “liberada” almeja. Da mesma forma que Reagan assumiu ares populistas para vender um programa político que favorecia os ricos, os políticos, os meios de comunicação e a publicidade adotaram uma retórica feminista para passar adiante políticas que feriam a mulher, revendendo os mesmos velhos produtos de sempre ou escondiam opiniões antifeministas. Bush prometeu “maior poder” para as mulheres pobres – como substituto dos muitos programas de assistência social que ele estava cortando. Até a Playboy afirmou estar do lado do progresso feminino. “As mulheres avançaram tanto”, garantiu o porta-voz da revista à imprensa, “que já não é um estigma posar nua.” A cultura dos anos 80 suprimiu o discurso político das mulheres e depois redirecionou sua auto-expressão para os shopping centers. A consumidora passiva foi reeditada como sucedâneo feminista, exercendo o seu “direito” de comprar produtos, fazendo as suas próprias “escolhas” ao chegar no caixa. “Você pode ter tudo”, prometia um anúncio de cerveja a uma jovem em malha de ginástica – mas por “tudo”, a cervejaria queria dizer que o seu produto não dava a barriguinha de chope. Criticado por dirigir-se a jovens mulheres nos seus anúncios, um indignado vice-presidente da Philip Morris esbravejou que este tipo de censura é “sexualmente discriminatório” pois sugere que “mulheres adultas não têm capacidade para tomar as suas próprias decisões de fumar ou não”. A reivindicação feminista exortando que cada uma siga os próprios instintos tornou-se um apelo publicitário para se obedecer às solicitações do mercado – um apelo que enfraqueceu e aviltou a busca feminina de uma verdadeira autodeterminação. (…)

O atual contra-ataque aos direitos da mulher proporciona ainda outra tática inerente aos livros de estratégia dos antigos contra-ataques: a pose de uma sofisticada e irônica distância dos seus próprios fins destrutivos. A lista de emoções falsas do backlash –piedade pelas mulheres solteiras, preocupação com o esgotamento das que trabalham, envolvimento com os problemas da família –, a ofensiva atual acrescenta um escarnecedor cinismo em relação a quem ousa apontar mensagens discriminatórias ou antifemininas. (…) Ficar falando de injustiça sexual não só é feminino, mas não pega bem porque já não está com nada. A revolta das mulheres, assim, como qualquer outro tipo de revolta social, é alegremente descartada – e não por falta de conteúdo, mas simplesmente por falta de “classe”.

Já é bastante difícil desmascarar sentimentos antifeministas quando eles se vestem com roupas feministas. Mas é muito mais difícil enfrentar um inimigo que diz não se importar. O feminismo “cheira tanto a anos 70”, afirmam com tédio os papas da cultura popular. Agora somos “pós-feministas”, informam, não para dizer que a mulher chegou à igualdade de direitos e ultrapassou essa fase, mas para sugerir que eles mesmos se adiantaram tanto que já não pretendem nem mesmo importar-se com o assunto. É uma falta de compromisso que, no fim, pode representar o golpe mais devastador contra os direitos da mulher.

Logo, é importante pensarmos na raiz das coisas, para não ficarmos eternamente brincando de encenação política, feito hamsters na gaiola, enquanto permanecemos lucrativas. Claro que, dentro do capitalismo, que não irá sucumbir tão cedo, é importante que existam produtos de beleza também para peles escuras ou cabelos crespos ou roupas estilosas para pessoas gordas, e que propagandas sejam questionadas quando são preconceituosas, por exemplo. Não acho que esse tipo de coisa seja irrelevante. Aliás, não julgo ninguém, individualmente, por suas atitudes. Ainda vivemos em um mundo que valoriza muito a aparência, que conecta o “se sentir bem” com “se sentir bonita” e que, em certos momentos, sequer dá alguma chance de a mulher fingir que pode escolher. Existem empregos, por exemplo, que exigem salto e maquiagem, e pronto.

A caminhada ainda é longa, mas a nossa rede e a nossa força possuem potenciais enormes, que nos são mostrados diariamente: querendo ou não, estamos aqui, ainda que os nossos recursos sejam infinitamente menores que os dos detentores do poder. Existem conquistas para trabalhadoras domésticas, existem leis específicas para a violência contra a mulher, a  obstetrícia atual está em debate, entre várias outras coisas, mas claro que poderia ser muito melhor. É importante a gente continuar sempre a pensar na utopia, para que ela se concretize. Desejo que ruas iluminadas (segurança pública também é questão de gênero), para que mulheres igualmente brilhantes andem por elas, sejam uma realidade concreta e metafórica.

Por isso, precisamos entender que uma camiseta em uma loja de departamento com “feminista” escrito nela não significa muita coisa, principalmente se os funcionários continuam trabalhando muito e ganhando pouco, se artistas continuam tendo ilustrações roubadas para estampar produtos e se peças terceirizadas continuam sendo confeccionadas por meio de trabalho escravo. Relativizar depilação ou procedimentos de beleza ou minimizar os pontos negativos de cirurgias plásticas, como riscos ou o processo pós-operatório, também não são coisas que se enquadram exatamente em um viés feminista acolhedor e informativo, funciona mais como propaganda gratuita e marketing espontâneo e positivo para empresas mesmo.

Como analisou a teórica Nancy Fraser, no artigo “O feminismo, o capitalismo e a astúcia da história” (que chegou até mim por meio do coletivo Não Me Kahlo), houve uma fragmentação da crítica feminista que auxiliou na “incorporação seletiva” e “recuperação parcial” de algumas de suas tendências. Ou seja, de acordo com o interesse vigente, uma coisa ou outra é aleatoriamente pinçada sem levar em conta o seu contexto. E isso acaba auxiliando não na construção de uma nova realidade para mulheres, mas em uma nova forma de manter a organização social nos moldes hierárquicos de sempre. E mais:

É dito frequentemente que o sucesso relativo do movimento em transformar cultura permanece em nítido contraste com seu relativo fracasso para transformar instituições. Esta avaliação tem duplo sentido: por um lado, os ideais feministas de igualdade de gênero, tão controversos nas décadas anteriores, agora se acomodam diretamente no mainstream social; por outro lado, eles ainda têm que ser compreendidos na prática. Assim, as críticas feministas de, por exemplo, assédio sexual, tráfico sexual e desigualdade salarial, que pareciam revolucionárias não faz muito tempo, são princípios amplamente apoiados hoje; contudo esta mudança drástica de comportamento no nível das atitudes não tem de forma alguma eliminado essas práticas. E, assim, frequentemente se argumenta: a segunda onda do feminismo tem provocado uma notável revolução cultural, mas a vasta mudança nas mentalités (contudo) não tem se transformado em mudança estrutural institucional.

Acredito que mudar a pintura externa de uma casa não significa necessariamente reformar por dentro. Logo, não podemos nos deslumbrar com a festa feminista que tentam, literalmente, nos vender. Mulheres libertas não geram lucro, corpos autônomos são mais difíceis de controlar e pessoas conscientes da própria complexidade ameaçam a narrativa de papeis unidimensionais. Minha vontade é muito ambiciosa: não quero que as mulheres se sintam lindas e sim que se sintam – e sejam, de fato – livres. Vamos juntas?

2

Precisamos invadir a política

No fim de semana retrasado, a votação do processo de impeachment da presidenta Dilma Rousseff foi transmitida com ares de jogo da Copa do Mundo. Não poderia ter sido diferente: a agenda midiática mainstream, com seu usual sensacionalismo disfarçado de cobertura jornalística, ajudou a criar esse cenário pouco informativo, mas bastante barulhento. Em Brasília, pichações “Fora Dilma” se transformavam em “Bora Dilma” para, em seguida, se tornarem “Vai emBora Dilma” – rabiscos antagônicos, mas constituídos da mesma base, se atropelando em busca de voz dentro desse mar de polarizações que pouco beneficiaram o debate público. No dia seguinte à votação, o sentimento foi parecido entre as pessoas que conheço e partilham pontos de vista alinhados com os meus: a demagogia que, a cada voto, escorria da televisão, era de causar profundas náuseas até no mais forte dos estômagos. O artista Augusto Botelho sintetizou bem o sentimento que estou falando nesse quadrinho aqui.

13055407_1684076948513491_3749146950386410945_n-2

Trecho do quadrinho de Augusto Botelho

A votação foi extremamente violenta e parecia mais uma espécie de programa da Xuxa: deputados mandaram beijos para a família, falaram das “empresas religiosas” que fazem parte (é o que essas igrejas infiltradas na política são), reforçaram os valores machistas e elitistas de nossa sociedade, homenagearam assassinos e fizeram muitos outros comentários que, nas entrelinhas, guardam o desprezo aos direitos humanos, aos direitos trabalhistas e a outros itens essenciais para o bem-estar da população como um todo – e que são recentes, em construção e conquistados com luta. O circo que tomou o lugar de um momento que deveria ser, supostamente, uma discussão política séria, escancarou que essa ideia de impeachment está movida por interesses particulares de grupos que querem impunidade e a manutenção de privilégios econômicos, sociais e afins. Caso contrário, figuras como Cunha, Bolsonazi e outras não estariam tão engajadas na questão. Nesta lista aqui tem algumas das justificativas mais bizarras de votos, vejam. E aqui é possível ler sobre os próximos passos: para que Dilma perca o cargo, são necessários os votos de pelo menos 54 senadores. Muita coisa ainda vai acontecer.

Não sou uma grande entendida do sistema político como um todo. Existem várias camadas que separam o que é dito do que é realmente verdade, e os trâmites são todos muito complicados. Mas é importante ter disposição e vontade de aprender cada vez mais sobre como desvendar essas coisas. Não importa o modelo de sociedade que a gente deseja, o atual é esse, precisamos entendê-lo e a internet está aí pra isso, vamos aproveitá-la! De qualquer forma, não tem como negar que a suposta ~faxina~ no Congresso que muitos ingênuos (ou mentirosos mesmo) ousaram acreditar é mais uma disputa de poder do que vontade de ajudar o povo brasileiro. Basta lembrar do presidente da Riachuelo falando que, sem a Dilma, seria “instantânea” a volta de investimentos no país. E com as pessoas exploradas em empresas terceirizadas contratadas por ele, será que ele se importa? Creio que não devemos nos iludir quando algo assim vai à tona e a empresa diz que vai exigir cumprimento de leis trabalhistas das terceirizadas que contrata, como se tivesse acabado de descobrir o caso. Pelo preço que os produtos são comprados, é possível saber se são oriundos de condições precárias de trabalho ou não – algo que deveria ser verificado antes de qualquer contrato, não é mesmo? Terceirização é uma ótima maneira de lavar as mãos. E a exploração e o trabalho análogo à escravidão são o modus operandi do lucro, e não excessões. Nem emprego em shopping escapa, o McDonald’s que o diga.

E o presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), que acha que as leis trabalhistas devem ser flexibilizadas e que os trabalhadores devem ter 15 minutos de almoço, porque nos Estados Unidos é “normal” ter gente que opera máquina com uma mão e come sanduíche com a outra? Será que ele se importa com a população em geral? Será que ele engole o próprio filé mignon com pressa? A Fiesp não quer ‘pagar o pato’, como vem pregando em campanha, mas quer que a gente pague. Só quem nunca trabalhou na vida vai acreditar nessa conversa de que a pessoa poderá ir mais cedo pra casa se o horário de almoço for reduzido, como o cara alegou. E ele fala de outras propostas absurdas de retirada de direitos trabalhistas e inserção de jovens no mercado de um modo que duvido que parta de um viés que priorize os estudos e o desenvolvimento deles (aqui tem a entrevista completa).

A introdução do impeachment na agenda política & midiática do país me parece mais uma birra de machos poderosos que não aceitam brincar se não forem os donos da brincadeira contra uma presidenta eleita democraticamente (para que seja possível tentar entender os dois lados: aqui é possível ler argumentos de quem é contra o impeachmentaqui de quem é a favor). Não vejo pautas que realmente tragam melhorias para a população, e não apenas para empresários e correlatos, sendo abordadas dentro dessa discussão. Temos que lembrar que não é só desenvolvimento econômico a qualquer custo que traduz a qualidade de vida de um país, mas também direito à saúde, moradia, alimentação, educação, respeito à diversidade, livre expressão de gênero e orientação sexual e afins.

No entanto, essa treta toda não é uma surpresa. Em 2014 já fomos avisados que o Congresso eleito atualmente é o mais conservador desde 1964. De acordo com uma pesquisa do Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar (Diap), houve um grande aumento de militares, religiosos e ruralistas na política. “As pessoas não sabem o que fazem as instituições e se você não tem esse domínio, é trágico”, alegou o diretor da instituição na época em que a pesquisa foi divulgada. Infelizmente, marketing, publicidade e celebrização de candidatos parecem ter grande eficácia na batalha eleitoral, o que facilita o lado de quem tem dinheiro e visibilidade. Ideias complexas e que abalem o status quo acabam ganhando menos espaço, porque promovem redistribuições de privilégios que o poder instituído não quer ouvir falar. Por isso, é importante entendermos também o conceito de quociente eleitoral. Não adianta votarmos apenas em indivíduos sem entender o histórico e as propostas deles e que tipo de pessoas podem “puxar” junto.

Tem uma reportagem da Pública que mostra a “dinastia da Câmara”: quase metade dos deputados são membros de famílias que, em alguns casos, possuem poder político desde o período colonial no Brasil. E não só na Câmara é assim, mas também em outras esferas de poder. Leiam a matéria inteira aqui, porque vale a pena. Ela mostra que a política, que era pra ser uma “atividade aberta a todos os cidadãos”, acaba virando um negócio mantido por “clãs” preocupados com enriquecimento pessoal e que já possuem vantagens e conhecimentos sobre as estratégias do jogo. Os especialistas e professores entrevistados afirmam que a desinformação e despolitização são fatores marcantes no processo eleitoral do país e o sistema político brasileiro precisa ser rediscutido – e debatido.

Portanto, é bom tentarmos localizar qual o nosso lugar e a nossa posição dentro disso tudo. Política pode parecer algo muito distante da realidade de muita gente, mas aqueles homens vociferantes declarando absurdos em rede nacional não estão longe de nós. Eles são os nossos chefes, os donos das empresas que nos terceirizam (ou “pejotizam”, no meu caso e no de tantos colegas da área de comunicação e afins), os caras que não estão nem aí para agrotóxicos em nossos alimentos, os que colocam direitos de empresas acima dos de pessoas, os que empurram produtos industrializados para bebês e crianças, os que nos humilham e assediam moralmente e sexualmente nas ruas, faculdades e ambientes de trabalho, os que matam gays e lésbicas ou incitam violências contra essas pessoas, os que são contra cotas porque não querem perder mão-de-obra barata, os que promovem violência policial, os que poluem águas, acumulam terras, constroem catástrofes… Os que lucram com nossos problemas e, por isso, não se interessam em resolvê-los.

Podemos até achar que não entendemos de política, mas ela está entranhada em nosso dia a dia o tempo inteiro. Apenas não temos, muitas vezes, autoestima para achar que nossa percepção tem validade e nem ferramentas necessárias para decodificar os processos políticos, o que significam, de onde vieram, para onde vão. Por isso, o meu objetivo com esse texto não é convencer pessoas a acreditar em x ou y, embora eu tenha deixado evidente uma pequena parte dos meus pontos de vista. Com tanta coisa mudando o tempo inteiro, meu intuito foi apenas refletir superficialmente sobre o cenário atual e incentivar mais gente a participar de discussões desse tipo. Sendo este blog um espaço feminista, acho importante buscar falar sobre essas questões, pois sei que muitas mulheres não tem suas opiniões respeitadas ou levadas a sério e acabam se afastando de alguns debates mais amplos. É um texto para as mina, os mano e as mona pensarem, de forma conjunta, se estamos satisfeitos, se nos sentimentos representados, o que achamos que deve mudar e, principalmente, o que não sabemos e pode ser importante começarmos a saber?

E mais: quais as brechas nos espaços de poder que podem ser aproveitadas? Quais as mudanças que queremos ver não apenas em nossas vidas, mas em nossas comunidades? Quais as prioridades do Brasil atual dentro da nossa perspectiva de militância? Como andam as coisas para as mulheres como um todo, para as mães, para as pessoas negras, para a população LGBT, para os moradores de periferias, para os jovens, para os idosos e vários outros grupos pouco lembrados nas discussões desses homens que se dizem tão preocupados com o futuro do Brasil? Como elas podem ficar? Estas são perguntas que faço não apenas às pessoas que estão lendo esse texto agora, mas a mim mesma. A única certeza que tenho, no momento, é que representatividade importa e é a falta dela nos ambientes de poder que empobrece as discussões atuais e faz com que esse monte de macho, branco, rico, empreiteiro, pastor, traficante, militar, empresário, fazendeiro e afins toquem as demandas deles como as mais importantes.

Informação é poder. Precisamos aproveitar a nossa era, que favorece a comunicação em redes e a construção coletiva de conhecimento, para criar um novo cenário. Vamos tentar?

0

“Não é uma história particular, é um momento histórico”

Após conversa informal com a jornalista Gabriela Sobral – pessoa maravilhosa e uma das minhas melhores amigas –, decidi convidá-la para escrever um pouco do que ela me disse aqui no blog. Ela me fez pensar em um nível mais particular sobre a importância de políticas multiplicadoras, ou seja, que capacitam e empoderam as pessoas e permitem que essa capacitação e empoderamento possam ser repassados. Porque não dá para centralizar poder e dinheiro em uma mão só ou pensar apenas em ensino técnico a fim de se ter uma mão de obra mais qualificada. Precisamos transformar as pessoas em personagens principais das próprias vidas. Outro aspecto interessante que ela abordou é o fato de que temos sim que botar para fora as nossas ideias, debater. Conhecimento é uma coisa que a gente constrói coletivamente e, enquanto mulheres, somos treinadas a achar o que a gente pensa irrelevante. Não é.

Esse é um texto pessoal em um blog pessoal, então caso esperem uma análise política bem técnica, não vai ser aqui, nesse post. E embora eu tenha críticas ao governo atual, como todo mundo (/serracomedor, sdds eleições 2010), acredito que dentro das nossas escolhas atuais, o prosseguimento dele é ideal para a continuação da construção de uma sociedade mais justa. E vamos torcer para que os debates só cresçam e na próxima vez, o poder legislativo eleito no Brasil seja menos triste, conservador, religioso, militar, empresário, zuero, machista, homofóbico, etc.

Fiquem com o texto de Gabriela:

As eleições chegaram e agora já, quase, passaram. Parafraseando Drummond, foram tempos de partidos, foram tempos de mulheres e homens partidos. Contudo, ninguém pode negar que o debate é mais que salutar (claro, aquela conversinha coerente e não o discurso de ódio como vemos na maioria das vezes). Debatendo, você não só afirma os preceitos democráticos, coloca-se na esfera de debate, vê-se como parte da sociedade civil, como também passa a refletir sobre coisas que você acredita, mas que ficavam silenciadas. Por isso, hablar é importante para que sua voz ganhe legitimidade, mesmo que seja ali naquele bolo com café ou no sanduba nojento com a amiga. Ninguém precisa estar na Globo. Acredite, é nos micro espaços que ocorrem as transformações.

Suas percepções políticas se constroem por motivações culturais e pelo conhecimento adquirido, nas instituições rígidas como a escola, universidades ou na convivência familiar, no vai e vem da rua mesmo. O importante é você usar suas experiências, colocando-se num todo, pois é na coletividade que se produz os grandes arranques sociais. Por isso, coloque o seu discurso na roda, nada de risinhos e acenos de sim com a cabeça. Fale! Só assim criamos novos espaços de discussão e legitimamos nossas causas.

Eu respeitei muito isso, nessas eleições, abstive-me algumas vezes, preguiça mesmo. Outras tive que respirar fundo e ir adiante. Não foi fácil ouvir referências à presidenta Dilma como “vagabunda”, “safada”, “cachorra”. Essa misoginia me deixava doente, triste de verdade. Pensava como uma mulher presa e torturada, em um dos períodos mais cruéis, pode ser chamada assim.

Por isso, decidi trazer as coisas nas quais acredito; a minha história de vida para o contexto no qual estou inserida, pois o debate, o lugar da fala é o lugar da construção simbólica, na qual temos que buscar nossa representatividade. Olhando sempre para o lado, analisando sempre o contexto social, pois é nele que se dá a vida. Claro que as criações artificiais são importantes e a questão econômica mais importante ainda. Contudo, acredito que as políticas sociais – isso quer dizer políticas que têm um caráter de alcance e transformação na vida social e não só em termos estruturais – equalizam outras tantas questões que fogem às análises tecnicistas.

Essa coisa de olhar pra fora, de se retroalimentar das experiências, como forma de perceber o que anda acontecendo, eu aprendi desde criança. Minha mãe sempre foi professora. Mas foi graças à expansão e revitalização do ensino universitário, iniciado no governo Lula, que ela pode fazer mestrado e depois prestar concurso para graduação em letras libras na Universidade Federal do Pará. Isso, é claro, melhorou nossa vida financeira, mas melhorou ainda mais a vida da minha mãe, a minha vontade de também me qualificar, a autonomia dela, que, hoje, chefia a faculdade de línguas modernas e estrangeiras da UFPA. Além disso, pude escolher onde estudar, vim morar em Brasília, hoje curso um mestrado profissional, no IPHAN, que também faz parte das novas políticas. Enfim, tive oportunidades imensas, não só porque minha mãe se beneficiou, mas porque houve um investimento no ensino público e porque eu estava imersa em um momento de produção de conhecimento, de auto estima, de mudanças, de um um presente bom e palpável e um futuro a vir .

As políticas públicas são feitas a partir do princípio das escolhas drásticas, no caso, reestruturar o ensino superior. Com isso, não é só a Liza que passa a ser uma funcionária pública e ganhar mais, são os filhos da Liza que passam a ter mais condições de investir em suas carreiras, o filho da Liza que passa a ver a mãe (mulher) como chefe de família, a filha que recupera a tranquilidade e passa a investir na sua vida, a Liza que pode ajudar o neto, a Liza e todos e todas que a cercam passam a viver um momento histórico/social de desenvolvimento pessoal e material. Não é uma história particular, é um momento histórico.

Acho que o discurso do “vamos cortar gastos”, “vamos enxugar a máquina pública”, “a máquina está inflada” é reducionista. O aumento de programas sociais, a criação de programas e políticas públicas requerem uma estrutura burocrática mínima. O Ministério da Justiça, por exemplo, que, antes, só cuidava das suas ações básicas passar a ramificar a sua atuação para alcançar a sociedade civil.

Não funcionando como uma estrutura hermética, mas uma estrutura que incorpora e chega às pessoas. Hoje, ampliou-se as ações da comissão de anistia, com isso criou-se o movimento da comissão da verdade, o ministério passa a ter uma política efetiva contra o tráfico humano. Enfim, para isso, sim, os ministérios vão inflar, crescer. As políticas econômicas tem que ser contempladas? Óbvio. Mas atentemos para esse discurso do corte. Pois, a longo prazo, as políticas sociais que transformam uma sociedade.

Tudo isso mostra que minha história pessoal influi no meu voto? Sim. E isso é bom, pois mostra o quanto eu sou preenchida pelas minhas experiências. Aquele que diz em afastamento ou isenção, parece-me vazio. Agora, isso não significa individualismo. Pelo contrário, foi pela minha vivência e, principalmente, pela trajetória da minha mãe que pude aprender a colocar a Gabriela na prática social e aprender a ver o todo.