4

Pensamentos soltos de uma mulher cansada

Ontem estava chovendo e mais uma vez passei em frente a um muro com um lambe que trazia a imagem de Marielle Franco, um pôster grande que estampava também a fatídica pergunta que tanto se faz por aí em busca de respostas concretas e oficiais do que todo mundo já desconfia e possui indícios aqui e ali: quem a matou? Lembrei do dia em que tudo aconteceu, a tempestade que acompanhava as tristes notícias, a sensação horripilante de que as coisas no país não eram as melhores e podiam ainda piorar.

Claro que, infelizmente, outras figuras políticas e lideranças importantes já foram assassinadas em outras ocasiões. Mas essa morte foi muito marcante e explícita, aconteceu no centro do Rio de Janeiro e em um momento em que minorias com pautas e identidades semelhantes às de Marielle estavam – e estão – em evidência. O crime simboliza também o que viria depois, a ascensão miliciana em um país dominado pelo que tenho chamado de Jesuscracia Neoliberal. Que tempos.

20190602_201002.jpg

Disputa de discursos e Marielle

**

Eu já andava desanimada com o blog e comecei a escrever cada vez menos por aqui desde então. Tudo me parecia pequeno, bobo, raso. Como falar sobre sexo ou música em um mundo em pleno desmoronamento? Perder a fé na humanidade é uma frase que muita gente bem intencionada utiliza com uma certa constância enquanto passeia pelas notícias trágicas que diariamente povoam as redes sociais virtuais. Contudo, o que sinto não é nem uma perda de sentimentos, mas uma desesperança que é sedimentada a partir da constatação de que disputas violentas de espaço, poder e discurso estão postas e se desdobram de modo difuso e altamente complexo a cada segundo – e já era assim bem antes de sequer existirmos nesse planeta.

Mas chega de ter esperança, como diria o Comitê Invisível, né? Eles alegam no livro Motim e destituição do agora que a esperança acaba por ser uma ferramenta que nos mantém passivamente acreditando em uma solução abstrata que virá do futuro enquanto, na verdade, deveríamos estar construindo algo agora. Agora, aliás, é uma palavra que carrego no corpo, em forma de tatuagem e com a letra de fôrma de um amigo querido, como uma espécie de âncora para uma mente que está sempre se alternando entre o que já foi ou o que ainda pode ser. A ansiedade torna o agora um lugar muito difícil de se estar e ela é também o que fundamenta essa nossa era recheada de imagens, informações, palavras de ordem, capitalismo exacerbado, modelos de aparência e de comportamento, dissolução de valores e repaginação de preconceitos – tudo isso junto e misturado em um grande remix.

A questão é: perder a fé na humanidade me parece, na real, algo até bem otimista considerando que, historicamente, são muitos os fatos que evidenciam motivos para que ela não devesse sequer existir.

**

Venho recebendo a newsletter da jornalista Sofia Perpétua, uma mulher incrível que conheci recentemente em um evento de literatura, e me acalenta o coração ler textos tão bem escritos que trazem o que ela vê, o que ela pensa, o que ela gosta, onde ela foi, tudo de modo tão bonito e bem amarrado com belas fotografias. Existem outras newsletters muito interessantes por aí (como as das maravilhosas Stephanie Borges, Aline Valek ou Carla, do Outra Cozinha) e isso tem me feito olhar com ainda mais amor pra esse lance de sistematizar e compartilhar ideias por meio da escrita de um modo mais afetivo.

Para mudar um pouco de ares, me inspirei a voltar aqui hoje e escrever de um jeito mais livre, leve e solto. Sem revisar o texto mil vezes ou demorar uma semana para colocá-lo no ar. Sem a obrigação de destrinchar um tema específico com alguma profundidade. Quero apenas falar sobre aflições e vontades. Mas trazendo sempre a tal da perspectiva feminista, em algum momento, porque é pra isso que este blog existe. Escrevo o tempo todo, profissionalmente e academicamente, mas nem sempre do jeito que eu gostaria. Aqui rola de fazer uns experimentos, né?

**

Porém, tenho experimentado também o lado ruim de colocar as próprias ideias online. Existe um forte movimento de apropriação e cooptação do que pequenos grupos estão fazendo. Isso acontece em prol de algum tipo de lucro pessoal que, por vezes, é econômico também. Ou social. Vários tipos de capitais em questão, esses lances. As coisas mudaram e o ambiente virtual, que já foi o esconderijo aconchegante de muita gente, virou uma grande vitrine.

Sinceramente não aguento mais a figura do digital influencer que cospe um monte de besteira genérica em um ritmo frenético e ainda por cima utiliza pautas sociais de modo distorcido e dissolvido apenas para impulsionar a própria imagem. Não aguento mais grifes falsamente inclusivas e cheias de frases prontas. Não aguento mais gente achando que pesquisar conteúdo significa roubar ideias e formatos alheios. Não aguento mais a sensação de que a conversa no ambiente virtual está parecendo mais produção gratuita de conteúdo para empresas (inclusive para as próprias mídias sociais) e pessoas aproveitadoras.

Pesquisa envolve enfiar a cara em livros, revistas e sites, visitas a lugares, passeios pelas ruas, viagens, conversas com pessoas e afins para, a partir daí, construir a própria trajetória – uma trajetória que dê o devido crédito a quem fez parte dela. Então isso acaba sendo outro fator que me deixa desanimada. Fico muito feliz com o reconhecimento que vez ou outra recebo, com o diálogo que estabeleço com pessoas ótimas, mas ver gente ganhando edital, fazendo matérias ou vídeos no YouTube a partir de coisas que pensei, criei, produzi (e sem autorização) me deixa triste. Dinheiro e crédito são coisas importantes nesse mundo. Mas isso não é nenhuma novidade e acontece em movimentos sociais, culturais, artísticos e etc o tempo todo, como uma dança espelhada e esquisita.

**

Esse negócio de apropriação me faz pensar também na memória de Marielle Franco, que foi quem abriu este texto. É importante que ela esteja sempre em pauta, mas de modo respeitoso e humano e não como nome de hambúrguer vegano de trinta reais ou de coleção de lingerie. Não de modo superficial e preguiçoso, com uma representação que traga a mera imagem dela repleta de buracos de bala em uma roupa de marca. Tudo isso aconteceu – e é pavoroso. É pavoroso não estar sendo feita metade da reflexão que é necessária em um país que tem suas bases construídas em cima do racismo e da misoginia. No capitalismo tudo é um produto, realmente.

O Dia das Mães passou e, mais uma vez, discutiu-se no âmbito virtual sobre ser mãe de pet (e agora teve até mãe de planta???) ou maternidade compulsória (tema importante, não nego). Quem lembra das mães que possuem a maternidade interditada pelo genocídio de seus filhos negros, por exemplo, para além das próprias militantes do feminismo/movimento negro? Uma amiga minha estudou essa questão e não vejo a hora de essa dissertação estar logo disponível de alguma maneira, para que todos possam ver. E ela cita Marielle, academicamente, resgatando também o legado teórico de uma pessoa que lutou em variadas frentes. Um salve para toda a mulherada que está no corre pensando no coletivo – sejam faxineiras, cozinheiras, pesquisadoras, escritoras, doulas, arquitetas e afins. Não é fácil, mas sempre tem alguém por alguém em algum lugar. E nessas horas até cogito ter a tal da fé.

**

Falando em coletividade, recentemente conheci de perto muitas pessoas que admiro e outras que passei a admirar. Me sinto energizada por essa rede de troca que me traz, cotidianamente, tantos novos conhecimentos. Minha amiga de tantas aventuras, a querida Gabriela Sobral, idealizou uma feira de publicação independente intitulada Bancada, que aconteceu no Rio de Janeiro dia desses, e fiz parte da organização e curadoria. Pudemos reunir muitas dessas pessoas inspiradoras em um lugar só. Foi muito legal.

Além das minhas obrigações mais oficiais envolvendo estudo e atuação como jornalista, tenho trabalhado com feiras de publicação independentes, principalmente na parte de assessoria de comunicação. Vez ou outra organizo meus próprios eventos ou dou pitaco nos eventos dos outros. Acho esses rolês muitos potentes, horizontais e importantes: o compartilhamento de experiências é imediato e o público pode se perceber como parte fundamental na construção de um cenário em que grandes empresas e shoppings não precisem sempre ser intermediários entre seres humanos e artefatos culturais. Além disso, gosto de conversas cara a cara, de encontros presenciais. São importantes. São necessários.

Bancadarua

Bancada ❤

**

Um sonho: pequenos produtores (de alimentos, livros, roupas e afins) em grande escala e não grandes escalas de coisas sendo produzidas por poucas empresas. Pessoas com tempo para cozinhar, ouvir música, dançar e compartilhar experiências sem esse peso do medo e da insegurança preenchendo corpos, mentes e existências com afetos de tristeza e terror – um quadrinista que sou fã me aconselhou ler Espinosa após me ver surtada no período das eleições, mas ainda sou nova no assunto. A crise é um projeto político, sabemos, e me sinto em uma música da Legião Urbana, com meus amigos procurando emprego, todo mundo sem dinheiro e a sensação de que estamos voltando a viver como anos atrás.

Mas, repito, sei que as coisas não estavam perfeitas. Muito pelo contrário.

**

O agora escorre entre meus dedos e tento agarrá-lo. A cada passo que dou, me sinto entrincheirada entre passado e futuro (alô, Boaventura!), quase como em uma espécie de paralisia que nubla meus sentidos e me enche de dúvidas. Mas a dúvida é o combustível de toda caminhada, e a incerteza é a única certeza que podemos ter, não é? Por isso esse post com tantas perguntas, poucas conclusões e muitos acontecimentos soltos.

Respiro fundo e tento me localizar no agora, o agora de agora que não é mais o agora que escrevi a alguns minutos atrás. Que bom é estar aqui nesse instante silencioso em que nada mais existe e tudo importa. De qualquer maneira, ainda assim, me sinto exposta, mesmo estando dentro do meu próprio espaço, apenas porque escrevi de um jeito que nunca escrevi antes por aqui, seguindo a ordem desconexa dos meus próprios pensamentos. Respiro fundo de novo. É estranho viver no caos, mas já não deveríamos estar acostumados?

**

Um beijo, um abraço e fiquem bem. <333

Anúncios
3

Beleza, feiúra, estigmas e xingamentos como ferramentas para silenciar mulheres

“Quando se atrai a atenção para as características físicas de líderes de mulheres, essas líderes podem ser repudiadas por serem bonitas demais ou feias demais. O resultado líquido é impedir que as mulheres se identifiquem com as questões. Se a mulher pública for estigmatizada como sendo ‘bonita’, ela será uma ameaça, uma rival, ou simplesmente uma pessoa não muito séria. Se for criticada por ser ‘feia’, qualquer mulher se arrisca a ser descrita com o mesmo adjetivo se se identificar com as ideias dela”

Naomi Wolf em O Mito da beleza: como as imagens de beleza são usadas contra as mulheres

Desde cedo, garotas são doutrinadas a acreditarem que são inferiores e incompletas. “Menina não pode fazer isso”, “se você falar assim, ninguém vai te querer”, “tira a mão” daí” ou “comporte-se como uma mocinha” são frases comumente utilizadas durante todo o processo de tentar transformar um ser humano do sexo feminino em uma mulher. É claro que o repertório varia de acordo com fatores como cor de pele, condição econômica, etnia, peso e afins, até mesmo porque existem hierarquias entre as próprias mulheres. Enquanto se exige força de umas ou delicadeza de outras, por exemplo, é possível detectar a existência de alguns pontos em comum. Um deles é a validação masculina como um mecanismo que, a partir de premissas irreais e excludentes, define o quanto uma mulher vale.

A partir da crença de que é incompleta, uma mulher começa a ser vista como menos despedaçada a partir da legitimação de um homem – ou de vários. Porque não basta um ficante, um namorado, um marido, é preciso também agradar aos passantes na rua, o vizinho, o chefe e o olhar masculino generalizado que embasa os padrões atuais de beleza e de comportamento. Em 1975, o conceito de male gaze (ou olhar masculino, em tradução livre) foi cunhado no artigo Visual Pleasure and Narrative Cinema, da feminista e crítica britânica Laura Mulvey. O texto basicamente argumenta que as mulheres são representadas nas telonas como objetos que devem agradar a ótica do homem “padrão” – ou seja, do cara que possui algum poder de consumo e respaldo no meio em que vive. A provocação ainda hoje gera debates e foi estendida por diversas teóricas feministas para a sociedade como um todo pois esse olhar vai além dos enquadramentos de câmera.

Pouco antes da Mulvey, o crítico cultural John Berger, também britânico, escreveu no livro Ways of seeing (que tem série televisiva de mesmo nome) sobre como homens olham para as mulheres enquanto as mulheres olham para si mesmas sendo observadas pelos homens. Ainda que o foco dele tenha sido nos cânones da arte ocidental, essa análise pode se enquadrar também para além das galerias e afins. Logo, considerando tudo isso e partindo desses pontos, as mulheres se pegam constantemente preocupadas com a própria aparência, com o próprio comportamento, com as próprias escolhas. Com tudo. Não é possível falar ou viver livremente pois a necessidade de aceitação é mais do que uma questão social: em muitos casos, significa também algum tipo de segurança, ainda que ilusória.

vulvazine.png

Ilustração exclusiva pela artista Mariana Destro

Ilusória pois, na prática, as mulheres que agradam o olhar masculino também sofrem assédios e coisas do tipo, ainda que as que não agradem costumem sofrer mais violentamente e constantemente as consequências de serem quem são. Como já falei, a respeitabilidade da mulher é medida por quanto um homem – ou um conceito que parte do olhar masculino – define o valor dela. A escritora nigeriana Chimamanda Ngozi Adichie discute em Sejamos todos femininistas (famoso discurso que virou também um livro) sobre como perdemos muito tempo ensinando as meninas a se preocuparem com o que os meninos pensam delas.

É desde cedo que as mulheres aprendem a observar a si próprias a partir de fundamentos que partem do olhar do outro – e se constroem com base nessa visão. A autora fala também que os homens são pressionados a serem sempre durões e acabam com o ego muito frágil, afinal, quem consegue ser “machão” e indestrutível o tempo todo? Isso faz com que as mulheres acabem empurradas para estarem sempre cuidando do frágil ego masculino. Não basta terem que lidar com as expectativas que os homens possuem delas, é preciso também cuidar dos sentimentos deles em relação a eles mesmos. Esse trabalho emocional é extenuante e faz com que as mulheres se diminuam para que a grandeza masculina possa ser enaltecida.

Portanto, é possível perceber que o olhar masculino não é apenas um enquadramento reducionista, mas também utópico: deseja mulheres perfeitas e imóveis, como pinturas a óleo, ao mesmo tempo em que é desejável que elas sejam emocionalmente e/ou fisicamente fortes e façam tudo por eles. O objetivo é que elas continuem a servir como esposas-acessório ou mão-de-obra precarizada sem reclamar muito e, apesar de tudo, sonhando com um príncipe encantado que mostre para o mundo, a partir do reconhecimento dele, o quanto elas são valorosas e merecedoras de coisas boas. Dentro desse cenário, o discurso da mulher é fortemente atrelado à aparência dela e, como mostrado na frase da Wolf que foi colocada ali no início deste texto, não existe saída.

Uma mulher considerada bonita será tratada como uma ameaça ou terá o rótulo de burra atrelado à ela, para que suas palavras percam força. Uma mulher considerada feia será ridicularizada, e todos os seus questionamentos serão tidos como frustração, queixa, bobagem. Além disso tudo, existe uma força patriarcal que busca desunir as mulheres fazendo-as terem medo de ter uma opinião. “Nossa, mas você é tão inteligente, e concorda com essa daí, que é burra, e só conseguiu publicar um livro porque dormiu com alguém, porque é bonita?” ou “claro que você concorda com essa baranga, você é baranga também kkkkkkk” ou “quem pensa igual à Fulana é porque é feia que nem ela” ou “quem pensa igual à Cicrana é porque é fútil que nem ela” são algumas das muitas frases possíveis, e o intuito de todas elas é o mesmo: calar a voz de mulheres – e diminuir a força do discurso delas.

No período das últimas eleições isso foi exemplificado com clareza. Quem votasse em sei lá quem era mais bonita, quem fizesse isso ou aquilo era feia. Perceba que as que recebiam elogios eram sempre as que estavam de acordo com a vontade dos homens que proferiam as categorizações, óbvio. E isso acontece o tempo inteiro, em todos os espectros políticos, mas não dá para negar que mais em uns do que em outros.

Quanto mais medo uma mulher tem de expor as próprias opiniões ou de endossar a opinião de outras mulheres, mais difícil fica unir demandas em comum. Não é à toa que tantos homens gostam de rotular feministas como feias, peludas, mal comidas, lésbicas e etc, como se, oh, essas coisas todas fossem muito ofensivas. São justamente as feministas que estão tentando libertar as mulheres das amarras do patriarcado e, por isso, são consideradas perigos que devem ser combatidos. E não é à toa também que, infelizmente, mulheres em geral e até mesmo muitas que se consideram feministas tentam se vender como dóceis, tranquilas, depiladas e heterossexuais para não serem colocadas no mesmo pacote das que desagradam o olhar masculino.

É uma armadilha perfeita essa em que as mulheres foram colocadas: voz, aparência e, consequentemente, peculiaridades e necessidades acabam soterradas embaixo do constante medo de sofrer violência, rejeição e tudo mais. Consideradas e tratadas como incompletas, um rompimento brutal com um sistema machista que julga e oprime se torna difícil, afinal, é preciso sobreviver. Além disso, afeto, autoestima, segurança, emprego e afins são também coisas importantes que podem estar em jogo quando uma mulher se posiciona assertivamente, se veste e comporta como quer ou abala as estruturas de poder ao redor dela. A possibilidade da estigmatização está sempre por perto, como um sopro quente na nuca que causa medo e incômodo. Como uma eficaz tática de vigilância.

O que fazer, então? Também estou tentando descobrir. Penso em algumas saídas, como, por exemplo, seguir lutando cotidianamente contra os mil tentáculos do racismo, uma das maiores ferramentas utilizadas para manter padrões de beleza e, principalmente, desigualdade social e econômica. No Brasil, o fenótipo que mais sofre preconceito é também o que mais precisa garantir os próprios direitos, e isso não é coincidência. Não é coincidência perceber que quando uma mulher negra levanta as próprias questões logo tenha o próprio comportamento rotulado como “raivoso” ou escute alguma ofensa em relação à própria aparência, porque o intuito não é apenas silenciá-la naquele momento e sim fazer com que ela se desgoste tanto a ponto de silenciar-se nas próximas vezes por conta própria – e internalize o papel de subalternidade.

Outra coisa importante é que mulheres em geral rompam com o ciclo da vigilância e parem de julgar umas às outras por conta de roupa, peso, cabelo, relacionamento e afins. Isso é algo que só colabora com a criação de mais estigmas e com a desunião feminina. A vadia de amanhã sempre pode ser você. A feia de amanhã também. A isolada. A que não merece nada. E assim vai. Isso não significa que todas as mulheres devem ser melhores amigas ou que nunca possam ser criticadas, só significa que é importante ultrapassar as fronteiras da misoginia para que mulheres possam ser julgadas, para o bem ou para o mal, a partir de motivos concretos e relevantes.

Não acaba por aí. Seria interessante se as mulheres tivessem um olhar mais justo e amoroso não apenas com as companheiras ao redor, mas com elas próprias. É preciso tentar construir um novo universo em que a luz interior emane de dentro para fora, e não o contrário. É preciso aceitar a própria humanidade e imperfeição ao tentar edificar uma percepção nova sobre si mesma que não parta apenas do olhar do outro. Longe de mim tentar soar como uma espécie de autoajuda cretina. Só acho que, em um nível individual, pode ser importante tentar se conhecer melhor para, a partir daí, se definir a partir dos próprios gostos e desejos e não da mera vontade alheia. Isso ajuda mulheres a observarem melhor quem são, quem querem ser e quem podem ser para além das expectativas do desejo masculino. E ajuda também a bloquear julgamentos destrutivos.

A partir do ponto anterior, é possível ampliar o olhar em relação a mulheres admiráveis e buscar referências e informações que valorizem mais do que rostinhos considerados bonitos. Tenho uma amiga que é fã da Marilyn Monroe, por exemplo, e ela sabe várias coisas interessantes sobre a carreira dela que envolvem aulas de atuação e envolvimento com política. E existem mulheres de muitas outras áreas que merecem reconhecimento porque escrevem, cantam, ensinam, tocam um instrumento, pilotam aviões, rebocam paredes, pesquisam ou fazem milhões de outras coisas de uma maneira formidável.

Muitos são os homens reconhecidos pelos talentos e habilidades, inclusive homens considerados feios pelo padrão vigente. No entanto, essa sociedade faz com que as mulheres precisem sempre passar por avaliações estéticas e a partir do momento em que agradam ou não o olhar masculino é que o destino delas é traçado. E nesses tempos hiperimagéticos, principalmente, muitas pessoas são glorificadas simplesmente por se “manterem jovens”, possuírem dinheiro e estarem dentro de um padrão branco e heteronormativo de beleza. Ultrapassar esse ciclo é não apenas reconhecer o trabalho de outras mulheres, mas adquirir mais conhecimentos e trabalhar a própria inteligência – porque esse culto à aparência é também uma forma de estimular emburrecimento coletivo, controle social e gatilhos de consumo, né?

Dentro de uma sociedade que se organiza a partir de hierarquias diversas, as mulheres se tornam ainda mais vulneráveis (psicologicamente, economicamente e afins) dependendo do lugar em que se encontram dentro dessa escala – embora, de um certo modo, todas estejam correndo riscos. Sim, meu sonho é chegar em um patamar que ofensas ridículas não façam nem cócegas em mulher alguma e todas apenas sigam em frente, conquistando mais e mais vitórias. Mas sei que não é fácil e que cada uma tem sua realidade específica, com problemas e questões específicas.

De qualquer modo, conseguir construir essa noção de que uma atuação em rede fortalece grupos e de que o poder estabelecido realmente possui uma estratégia em curso que tem o intuito de silenciar mulheres e desmobilizar a luta feminina por direitos é fundamental. Dessa maneira, fica mais fácil erguer um escudo que auxilie nos momentos difíceis e blinde de ofensas gratuitas. Ah, um idiota te chamou de feia? Isso diz menos sobre sua aparência e mais sobre a capacidade argumentativa dele e sobre os medos de um frágil ego masculino que teme mulheres com poder, autoestima e espaço. A admiração condicional, passageira e nem sempre verdadeira do olhar masculino é infinitamente menos importante do que as reais vontades, necessidades e desejos de uma mulher. Que todas possam um dia falar e ser, sem medo.

0

O problema não é o “gênero”

As pautas ditas “morais” são prioridade de quem quer acabar com ~tudo isso aí que tá errado~ e, enquanto todo mundo se preocupa com quem o outro dorme, nossos direitos vão escorrendo pelo ralo. Uma das grandes medidas aprovadas após a retirada de Dilma Rousseff do poder foi a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 241, que congela o gasto com “despesas” do país por alguns anos. Isso significa que serviços públicos de saúde, educação e afins podem sofrer ainda mais baques nos próximos tempos. Contudo, pensando mais profundamente, essas coisas são realmente despesas ou, na verdade, são investimentos? Vários pontos de vista devem ser analisados.

Existem estudos que asseguram que o ideal é que países em crise, enfrentando momentos de austeridade, sigam com práticas de seguridade social para o bem da população e até da economia. Dessa maneira, suicídios podem ser evitados e doenças podem ser controladas. Além disso, levando em consideração um contexto capitalista, trabalhadores sem saúde produzem menos e geram mais demandas aos sistemas públicos. O dinheiro que deixa de ir para saúde ou educação não vai magicamente para o bolso de quem precisa, muito pelo contrário. Cortar política social ou restringir serviço público, por exemplo, não reduz corrupção, até porque favorece corruptos que estão no mercado querendo emplacar os próprios negócios.

Bom, mas o que esperar de uma bancada política altamente conservadora e comprometida com o dinheiro, e não com as pessoas, não é mesmo?

Outras medidas não tão benéficas para a população também estão em destaque, como a reforma da previdência, a flexibilização de leis trabalhistas e afins. A retirada de direitos é um projeto e, para que isso seja acobertado, foi criado um monstro feio e horripilante a ser combatido: a “ideologia de gênero”. Criou-se um mito de que existem professores-doutrinadores passando vídeos pornográficos nas escolas enquanto toca Pabllo Vittar (adoro) e merendas são distribuídas em mamadeiras de pinto. Isso é um desrespeito infinito com a classe educadora do Brasil, que não é reconhecida como merece e ainda precisa lidar com acusações absurdas.

pablo-vittar-2018-1

Gênero: mais polêmico que mamilos! Foto de Lailson Santos (reprodução).

Mas, afinal, o que é gênero?

A resposta para essa pergunta é longa e complexa. Muitas são as pessoas que estudam o tema (sou uma delas) e os conflitos, questionamentos e divergências são variados, mesmo entre quem aparentemente está do mesmo lado. Em um resumo bem rápido, gênero é um termo que floresceu a partir do objetivo de separar o lado biológico e o lado social do ser humano. Um corpo do sexo feminino pode, na maioria dos casos, gestar uma criança, por exemplo. O gênero é a construção social que dita que todo corpo capaz de gestar uma criança é uma mulher, e que toda mulher deve sonhar com ser mãe, ter filhos, agradar o marido e coisas do tipo.

O gênero, portanto, pode ser uma narrativa imposta aos corpos com o intuito de regulá-los de acordo com as expectativas de uma determinada sociedade. Ele não é “natural” e, por isso, é raramente acolhido de forma unânime (mulheres estudando quando era proibido já era um rompimento de barreira, entre vários outros exemplos). Supõe-se, inclusive, que as diferenciações sexuais hierarquizantes nascem como estratégia de controle social, reprodutivo, econômico e tudo mais. Logo, discutir gênero envolve debater um universo inquantificável de assuntos. E eles vão muito além da questão meramente moral (que tem sua importância) e abrangem gravidez, abuso sexual, divisão do trabalho e outros temas que atravessam a vida de todas as pessoas de modo bem concreto.

Desmistificar que “homem que é homem resolve briga na porrada” ou que “mulher tem que aguentar tudo” também significa conversar sobre gênero. Bem como explicitar que uma pessoa com pênis pode ter cabelo grande e adotar um nome considerado feminino ou que uma pessoa com vagina pode jogar futebol e cortar o cabelo bem curto. Existem muitas angústias e violências a serem resolvidas. E as pessoas precisam ter a chance de se sentirem mais confortáveis na própria pele ou de abandonarem papeis que foram empurrados à força. Além disso, desmistificar papeis femininos e masculinos e aliar isso à educação sexual ajuda crianças, adolescentes e jovens a identificarem situações de abuso.

E tem mais: um homem que mata uma mulher porque “não aceitou o fim do relacionamento” é, na verdade, uma pessoa que assimilou a hierarquia de gênero de modo tão profundo e natural que chega se torna legítimo aniquilar a existência de quem não mais quer ser posse dele. E é também alguém que não aprendeu a lidar com frustrações e sentimentos de rejeição de uma forma emocionalmente equilibrada.

Porque “homem não chora”.

Por isso, o debate de gênero envolve, fundamentalmente, o respeito ao próximo, ao corpo do próximo, às vontades do próximo, às escolhas do próximo, à orientação sexual do próximo, à maneira de ser do próximo e assim vai. E falar sobre gênero é falar sobre liberdade de expressão e liberdade para expressar a si mesmo.

Os que falam em combater a tal da “ideologia de gênero” e fingem estar preocupados com a “defesa da família” querem, na verdade, a manutenção do poder patriarcal. E querem as pessoas presas nos papeis de sempre e vigiando umas às outras, porque assim é mais fácil controlá-las. E assim são criados bodes expiatórios e respostas simplistas que serão úteis caso a desigualdade social aumente ainda mais por conta das medidas tomadas pelos tais “defensores da família”. Porém, incitar desconfiança entre semelhantes (não somos todos iguais?) e dificultar a melhoria de vida da população é realmente uma maneira de defender alguém? Ou é uma cortina que busca distrair todo mundo de problemas reais enquanto direciona ódio para quem não tem culpa de nada?

O problema não é o “gênero”, pode acreditar.

2

POSTO, LOGO EXISTO

Se eu não postar, então não aconteceu? Estou te vendo, fala comigo. Se demorar muito, posso perder o interesse. Ou ficar obcecada e te googlar até encontrar fotos que você tirou durante uma viagem de férias em dois mil e sete. E sabe-se lá o que mais. O tempo anda muito acelerado, não temos paciência e nem concentração. Antes, um livro inteiro era devorado em um dia. Hoje, pulo de aba em aba, tentando ler ao menos metade dos textos que guardei para depois. Mas, a cada aba fechada, surgem outras dez abertas.

Alimentamos o presente com um senso de urgência causado por uma constância excessiva de informações. No entanto, não nos damos o tempo da digestão: todo-mundo-tem-que-ter-uma-opinião-sobre-tudo. Agora, neste exato instante. A presença online é um misto de marketing pessoal com doses amargas de autossabotagem. Jogamos The Sims com a nossa própria imagem. Quem sou eu, para além do meu avatar?

Notificações ativam o sistema de recompensa de nossos cérebros. Experimentos behavioristas, entretenimento ou construção coletiva de conhecimento? Like me, please. Pay attention to me. Tecnohedonistas em um panóptico virtual. Vigiar, punir, mandar nudes e ver uns gifs de gatinho. Novos formatos para antigos valores e a velha cooptação empresarial de sempre. A democracia continua a ser um sonho não colocado em prática. O seu desabafo não deixa de ser conteúdo gratuito. Passos mapeados, cliques monitorados e mentes controladas. Como é mesmo que se descobria as coisas antes de elas simplesmente aparecerem em nossas timelines?

Não quero instruções de uso e sim alguém que me ajude a montar. Dizer que faz não é fazer. Confirmar presença não é ir. Digitar dirigindo é vício? De qualquer maneira, deixa meu celular aqui embaixo do travesseiro. Gosto de dar olhadinhas nele antes de dormir e depois de acordar. De manhã, de tarde e de noite. Estamos livres e aprisionados. No que você está pensando agora?

Captura de Tela 2017-02-17 às 04.53.04.png.jpg

Este texto é a introdução do zine VULVA CONEXÃO, que lancei em junho de 2017 com o intuito de reunir algumas inquietações pessoais em relação a temas que envolvem principalmente capitalismo, machismo, seres humanos & a nossa querida rede mundial de computadores. Caso queira adquirir, ler na íntegra ou compartilhar os seus próprios pensamentos, deixe um comentário ou mande um email para vulvalarevolucion@gmail.com.

0

Pelo direito de ser complexa: uma conversa sobre feminismo

Finalmente estou tirando a poeira do blog e fazendo o primeiro post de 2018. São tantas coisas acontecendo que, às vezes, me sinto tonta, inútil e paro de ver o sentido de ficar postando minhas ideias na internet. Contudo, navegar é preciso, não é mesmo? Por isso, tenho a honra de receber aqui mais uma conversa entre eu e duas mulheres que admiro muito: Clarissa Wolff, do canal A Redoma de Livros e da incrível coluna na Carta Capital com o mesmo título, além de autora do blog Doce (Catárticos); e Amanda V. (Deixa de Banca), jornalista e a mente por trás de um dos blogs mais divertidos que conheço.

Esse formato foi proposto pela Amanda e tem sido muito agradável poder abordar temas importantes de forma descontraída. Espero que vocês estejam gostando de nos conhecer desse modo um pouco mais íntimo! Em nossa primeira conversa, falamos sobre aquilo que nos une: escrever na internet. A segunda abordou reflexões sobre beleza. Agora, na terceira, relembramos como entramos em contato com o feminismo pela primeira vez e discutimos os desdobramentos que o tema trouxe para nossas realidades.

A gente debateu sobre questões atuais que envolvem o feminismo no contexto da internet e de uma sociedade consumista, que dissolve movimentos com o intuito de torná-los palatáveis, e enfatizamos a constante necessidade de práticas realmente politizadas, que priorizem as urgências atuais e tenham um posicionamento ético como norteador. Não deixamos de abordar também contradições e complexidades inerentes ao ser humano! Se liguem:

FEMINISMO CONVERSA.jpg

Vulva Revolução: Oi, gente! Eu queria falar sobre como o feminismo começou a fazer parte de nossas vidas. E discutir como a relação com o movimento, teoria e afins acaba influenciando tanto a nossa forma de se relacionar com o mundo, quanto como o mundo se relaciona com a gente. Falar de cobranças, exigências de perfeição, benefícios e muito mais.

Pra começar: quando vocês entraram em contato com o feminismo, inicialmente?

Deixa de Banca: Acho que a primeira vez que entrei em contato com o feminismo foi lendo “O diário da princesa”, rs, um livro do começo dos anos 2000. A personagem principal se considera feminista. Um dos conflitos da história inclusive é ela querer ser uma “mulher independente” mas acabar desejando coisas que reconhece como misóginas. Como eu gostava muito desse livro, eu acabei não antagonizando o feminismo, eu o reconhecia como uma parada massa e da qual eu queria fazer parte.

Clarissa Wolff: Minha mãe sempre falou que era feminista, e eu cresci convivendo com essa palavra. Ela não estudava a fundo teoria de gênero na época como veio a estudar mais tarde, era aquele feminismo zero acadêmico, mas muito material: mulher pode fazer tudo que homem pode etc.

Vulva Revolução: Comecei a ler muito cedo e passava muito tempo sozinha lendo livros da biblioteca pessoal do meu tio. Foi assim que descobri o que era, tinha livro que citava ironizando, tinha livro que citava apoiando… Mas foi adolescente que comecei a ouvir bandas feministas, tipo Bikini Kill, e entender mais, embora eu também tenha crescido com essa ideia de que mulheres podem tudo. Ou melhor, quase tudo, pois sofri cerceamentos em um misto de conservadorismo familiar e senso de proteção das mulheres da minha família, que sabiam na pele que estamos expostas à violências específicas e, do modo que consideravam certo, tentavam alertar as mais novas.

Deixa de Banca: Minha mãe nunca se reconheceu como feminista, eu nem ouvia esse termo lá em casa… Mas ela sempre me incentivou a investir na minha carreira e a ter independência financeira em vez de priorizar casar ou ter filhos.

Vulva Revolução: Sobre “O diário da princesa”, o livro falava especificamente de misoginia e esses termos? Eu nunca li, então fico boiando.

Deixa de Banca: Fala sim! Elas falam sobre como a mídia é misógina, zoam os meninos da escola, hahaha. O livro é beeeeem moderno, me faz pensar em como estamos em momento de backlash mesmo.

Vulva Revolução: Gente, e eu sempre olhei com preconceito. Tá vendo que coisa feia, a gente às vezes descarta coisas que parecem “de menininha” automaticamente, rs.

Deixa de Banca: Bridget Jones também fala sobre feminismo aliás, haha.

Clarissa Wolff: Eu li ambos e não lembro disso.

Deixa de Banca: Mas naquela linha pós-feminista, acho que na época era bem forte esse conflito entre sentir que você precisa ser “independente” mas ao mesmo tempo querer viver um amor romântico, ser bonita etc.

Vulva Revolução: Que é o feminismo que a maioria de nós entra em contato primeiramente, não é? Essa ideia que “lava” os preceitos fundamentais do movimento para que ele permaneça vendável e a gente continue pensando a partir de um viés que privilegie a heteronorma e agrade o olhar masculino.

Deixa de Banca: Sim! Na adolescência foi bem forte pra mim essa visão do feminismo enquanto “liberdade sexual”, de poder transar “com quem quiser”.

Clarissa Wolff: Siiiiiim!

Vulva Revolução: Isso me faz pensar que, sei lá, às vezes nossas avós dizendo “não vá sair com esse cara, menina” porque sabem que um desconhecido (e até mesmo conhecido, convenhamos) pode nos causar males que a gente sequer imagina acaba sendo mais feminista na prática do que o que a gente absorve do feminismo mainstream que nos mantém na engrenagem que o sistema quer. Pra falar de liberdade sexual entre quem se relaciona com homens, por exemplo, tem que alertar sobre violência masculina, não tem jeito. É o nosso tempo ainda, infelizmente.

Deixa de Banca: Com certeza! Minha mãe ficava super preocupada comigo, falava que eu não podia confiar nos homens, que eles iam ficar falando mal de mim. E eu ficava com raiva porque achava que ela tava sendo conservadora, haha, mas hoje entendo que ela estava certa. Só mais velha fui ver que não era liberdade nenhuma, eu só tava colaborando com a minha própria objetificação. O que ajudou a despertar pra isso foi ler “Female Pigs Chauvinists”, da Ariel Levy, e o “Intercourse”, da [Andrea] Dworkin.

Clarissa Wolff: Mesma coisa comigo. O que me levou pra uma leitura mais estrutural das coisas foi refletir sobre anorexia e padrão de beleza. Fui ler coisas sobre esses processos, li [Michel] Foucault na época (de novo por causa da mamãe). Foi com essa consciência mais de classe que comecei a refletir as outras, e daí veio a liberação sexual e aquele meu texto que ficou famoso [“A falácia da liberação sexual e as novas formas de dominação”]. Mas sempre primeiro com essas pautas “classe média” que doíam em mim. E daí li esses mesmos livros.

Deixa de Banca: Caramba! Nossa, eu fico muito frustrada com esse ódio que é destilado contra a Dworkin na internet. Muita gente chama ela de desatualizada também. Mas tenho certeza que qualquer mulher que se relaciona com homens pegar um livro dela pra ler vai se identificar de alguma forma

Vulva Revolução: Eu gosto muito daquele texto, Clarissa! Ele super me inspirou a escrever um com desdobramentos do mesmo tema, o “Mulheres não gostam de sexo ou homens não gostam de mulheres?” e até hoje vem gente falar que sentia essas coisas todas, mas não sabia como dizer. Ou pensava que era conservadorismo sentir essas coisas.

Clarissa Wolff: (opa vou ler!)

As pessoas chamam a Dworkin de desatualizada?

Deixa de Banca: Sim, ela e feministas da segunda onda em geral… São “velhas”, a teoria “não se aplica mais” à nossa realidade…

Vulva Revolução: Nossa, sim. E o que me entristece sobre o ódio destilado contra a Dworkin é que foi uma estratégia de desmoralização orquestrada principalmente pela direita norte-americana e por veículos de mídia tipo a Playboy, que faziam charges e textos ridicularizando não apenas as ideias dela, mas a aparência. E isso até hoje reverbera! Até mesmo feministas compram essas ideias de que ela é um ser temível.

Clarissa Wolff: Já vi gente falando que a Dworkin é conservadora (por ser antipornografia etc), mas nunca desatualizada. O argumento não faz nem sentido. Mas tá, ignorando isso…

Deixa de Banca: Sim! Essa ideia de que ela é uma conservadora radical que odeia homens contaminou muitas feministas… E aí muita gente deixa de LER o trabalho dela pra formar uma opinião, que é justamente o objetivo dessa estratégia.

Clarissa Wolff: …eu acho que a Dworkin foi muito diabolizada por ser radical e também porque ela trabalha com conceitos bastante complicados e as pessoas não se aprofundam pra entender. Ler o “Intercourse” de cara é difícil sem ter nada de bagagem teórica anterior. Por isso tem macho que aparece falando que ela dizia que sexo é estupro, quando até na página da WIKIPEDIA tem citação dela dizendo que nunca disse isso.

Vulva Revolução: Vejo pessoas falando que o feminismo dos anos 1970 é desatualizado como um todo. Se for assim, ninguém vai ler nada de filosofia, sociologia e afins nunca mais então, porque sempre é preciso resgatar ideias antigas para pensar o agora.

Deixa de Banca: Exato! Como construir conhecimento sem olhar para o que foi produzido no passado? E às vezes na internet rola muito essa lógica de que se uma parada é “problemática” a gente não deveria ter contato algum com ela… O que é tão contraprodutivo! Porque até pra criticar a gente precisa ter um conhecimento profundo das opiniões adversárias

Clarissa Wolff: Sim!!!!

Deixa de Banca: E foi bem nesse clima que a internet estava quando eu comecei a usar mais redes sociais. Nos grupos “feministas” era quase só briga e gente postando nude, hahaha.

Clarissa Wolff: Hahahaha, caramba! É verdade, rolavam muitos nudes. Em Porto Alegre a gente tinha um grupo mais organizado que foi o primeiro grupo que a gente realmente discutia coisas mais profundas – com briga, mas com argumento teórico, discussão e etc.

Vulva Revolução: Nossa, tinha muito isso mesmo e era bastante desgastante ver tanta gente depositando energia em busca de treta. Sou um pouco mais velha, então peguei uma fase boa no Orkut, com fóruns mais bem organizados e temas sendo discutidos com um pouco mais de profundidade. Tinha um grupo chamado “Feminismo e libertação” que era excelente, me ensinou muita coisa e conheço algumas meninas de lá ao vivo e mantenho contato até hoje. O Facebook deixou tudo mais chato, acho que pelo próprio formato dele. Parece uma arena com um monte de gente falando aleatoriamente com um megafone em busca de visibilidade para si e não em prol de uma construção coletiva de conhecimento…

Deixa de Banca: Sim! Era um uso bem individualista de conceitos que são coletivos. Então era fácil mobilizar as pessoas umas contra outras por tretas individuais como se isso fosse uma grande ação política.

Vulva Revolução: Já participei de lista de emails também que eram bem legais e informativas, mas hoje é tanta coisa o tempo todo que não consigo mais me organizar. Eu abro meu email e tem tanta propaganda, tanta coisa, me sinto zonza. Talvez realmente seja a hora de a gente aprender a organizar o conteúdo que já tem e não só de produzir mais conteúdo? Não sei…

Deixa de Banca: Nossa, sim! Eu também sinto que meu principal problema é não conseguir me organizar pra consumir o conteúdo que eu tenho interesse de consumir. Acaba que eu passo muito tempo lendo potoca no Twitter por já ter me acostumado com esse processo mais passivo das redes sociais, que já fazem toda uma curadoria pra gente

Clarissa Wolff: Eita, como assim?

Vulva Revolução: Não sei, só sinto uma enxurrada de informação me golpeando a todo o instante e às vezes acho que não consigo absorver ou me concentrar em algo como já consegui antes.

Deixa de Banca: Eu nunca usei Google Reader, mas direto vejo gente falando que sente saudade porque ajudava nisso de se organizar

Vulva Revolução: Acho que isso acaba facilitando esse momento atual de dissolução do feminismo e de outros movimentos, né? Todo mundo consumindo manchetes loucamente, todo mundo nessa desorganização e excesso, nesse bombardeio de spam e propaganda, tentando fazer algo útil, mas se sentindo soterrado e absorvendo mais facilmente um feminismo mais clean, prático, rápido.

Clarissa Wolff: Mas será que não foi sempre um pouco assim? O consumo de televisão e revista e jornal e toda a lógica publicitária e de hierarquia de informação existe há 100 anos, fico nervosa com o fatalismo da análise do momento atual, hahahah. Eu acho que qualquer ferramenta é passível de manipulação que gere usos “negativos”.

Vulva Revolução: Ah, sempre! Mas acho que estamos numa transição de modelos e isso traz algumas novidades, embora nem tão novas assim…

Sobre isso de “mobilizar as pessoas umas contra outras por tretas individuais como se isso fosse uma grande ação política”, isso é muito real e me causa muita tristeza. Claro que desnudar machistas, racistas e buscar combater desigualdades e opressões expondo esses comportamentos é importante. Mas vejo essa estratégia sendo usada às vezes com um fundo de rivalidade feminina, quando é contra mulheres, ou com um senso de incompreensão da complexidade humana, exigindo figuras perfeitas.

Clarissa Wolff: A lógica da lacração, né? Nossa, me incomoda muito também.

Deixa de Banca: Nossa, sim. E o pior é ver quem chama esse comportamento de “militância” kkkkkk. Taí mais uma palavra que teve o significado esvaziado.

Vulva Revolução: Uma vez uma moça que mal conheço veio me mostrar prints de uma briga boba que ela teve com outra. Era uma questão que poderia ter sido resolvida entre ambas, envolvia desconfianças e coisas que não eram tão “graves” e tal. Como confiar nessa moça e continuar conversando com ela, por exemplo? Como saber o contexto real daqueles prints? Por que, aliás, eu estava entrando em contato com prints de pessoas que sequer conheço pessoalmente? A gente tem que ficar sempre atenta, porque realmente, há muita confusão entre o que é prática política ou não.

Clarissa Wolff: SIM.

Deixa de Banca: Sim! Pensando nisso, uma coisa que me interessa muito é a recepção ao trabalho criativo de mulheres… Porque se você já fala de uma experiência feminina por um viés um pouquinho mais crítico já colocam aquela etiqueta de FEMINISTA e com ela todo aquele peso que a Vulva falou mais cedo, aquela cobrança de perfeição.

Vulva Revolução: E quando falo dessas coisas, não é em momento algum visando dar munição pra conservadores e pessoas contra o feminismo. Mas pra alertar a nós mesmas sobre como podemos nos machucar, às vezes. A impressão que tenho em alguns momentos é que os homens se unem contra as mulheres, e as mulheres se unem contra elas mesmas. Ou seja, estamos sempre em desvantagem. Queria um senso de ética mais forte entre a gente, de proteção, de saber resolver nossos problemas com diálogo franco e privado, pois nossa liberdade é muito frágil e sempre tem urubus à espreita querendo uma chance pra nos atacar.

Clarissa Wolff: Esses tempos eu entrevistei a Giovana Madalosso, escritora, e ela me falou algo que eu gostei muito. Ela disse “eu sou feminista, minha literatura não”. Porque o trabalho criativo pode ser isento de intenção, saca?

Deixa de Banca: Eu vi essa entrevista! Muito boa. Me identifiquei bastante! Porque a arte não precisa ter um caráter prescritivo, né? E quando a gente entra no campo da política inevitavelmente estaremos discutindo como as coisas deveriam ou não ser. Sem contar que nem sempre a vida pessoal da pessoa vai ser exemplar porque todo mundo é meio confuso… Já vi falarem que a Frida Kahlo não é “feminista” por causa do relacionamento dela com o Diego [Rivera]. Pra começar, por que a gente precisa discutir se a Frida era ou não feminista? Por que a gente não pode entender quem ela é e o que o trabalho dela era, em vez de tentar encaixar ela em expectativas do que uma mulher “forte” ou “livre” deveria ser?

Clarissa Wolff: Sem falar que existe uma diferença entre a nossa compreensão racional e o quanto o nosso emocional nos permite desconstruir na nossa vida. O ser humano é naturalmente incoerente, sabe?

Vulva Revolução: Sim!! Não sei se concordo que o trabalho criativo é isento de intenção exatamente, mas sei que ele pode, muitas vezes, estar trazendo outras facetas que existem dentro de uma pessoa. E a gente precisa complexificar mais o nosso olhar, para entender a complexidade alheia, ao invés de ficar desejando ícones perfeitos e que dialoguem com os nossos anseios de uma forma literal, didática, tatibitati.

Clarissa Wolff: Sim! A gente tem uma tendência de necessidade de ídolos, né? Sobre ser isenta de intenção, me corrijo: não é que ela obrigatoriamente seja, mas pode ser.

Vulva Revolução: Tem aquela moça do Carne Doce, que sempre criticam uma música dela, “Passivo” e, tipo, embora eu nem concorde com muita coisa que já vi ela defendendo, entendo que, enquanto artista, ela explora o que quiser dentro dela e joga pro mundo. Ela não está cantando que quer apanhar enquanto uma líder da ONU, mas enquanto uma artista investigando e apresentando lados diversos de sexualidade e violência, sei lá? Já vi também criticarem uma quadrinista que conheço por ser “falocêntrica” sendo que a personagem que ELA CRIOU está explorando um caminho único que não tem o intuito de ser a representação de todas as mulheres do mundo.

Deixa de Banca: Sim! E essa confusão entre ativista e figuras públicas é prejudicial pra quem de fato se engaja com militância, que tem seu trabalho ignorado

Vulva Revolução: Exatamente! Torna invisível quem está realmente trabalhando para representar ou ser a voz de um grupo. Creio que certas exigências são um tiro no pé por deixarem mulheres que criam de mãos atadas. Acho que tudo é passível de crítica sim, mas a gente tem que criticar com contextualizações. Tentando entender a trajetória da pessoa e não apenas levando em conta nossas expectativas de consumir produtos 100% “empoderados”, rs.

Clarissa Wolff: Exaaaato! Eu acho que existe uma diferença também da mulher falar da experiência PRÓPRIA x o homem falar da experiência do outro, da mulher. Tipo: uma coisa é a mulher falar que (pela condição de mulher e tudo que ela viveu) pode sentir vontade de ser submissa, outra coisa é o homem falar que quer uma mulher submissa. Mas, ao mesmo tempo, tenho um pé atrás com arte que normatiza situações de opressão, tipo “Cinquenta tons de cinza”, porque acho que a cultura e a arte são formas muito poderosas de mudanças e acho que a manutenção da ideologia do status quo passa muito pela arte e pelo entretenimento

Vulva Revolução: Ah, claro! Também acho e critico várias coisas, aliás. Só fico pensando que, às vezes, as mulheres tem um grau de exigência muito alto, tipo “VOCÊ NÃO PODE DIZER ISSO OU DIZER QUE SENTE ISSO” e, sei lá… Eu entendo a análise feminista que fala sobre a mulher erotizar a própria opressão e, ao mesmo tempo, já pedi pra levar uns tapas na hora do sexo?????? Ainda somos frutos desse tempo, em alguns momentos, por mais sofisticados que sejam os nossos pontos de vista, kkkkkkkk.

Clarissa Wolff: Ah, sim, com certeza. E retornando o que foi dito lá em cima, evitar 100% nem sempre é a solução. Me lembra aquele episódio da nova temporada de Black Mirror que a mãe censura o que a filha vê.

Vulva Revolução: Não assisti, mas minha mãe me deu os spoilers todos, rs. Sobre esse lance da perfeição, vocês se sentem cobradas por serem feministas?

Clarissa Wolff: Quando eu ainda era ativa na militância, sim. Hoje em dia que tô afastada, bem menos.

Vulva Revolução: É claro que, assim, com o florescimento da minha consciência feminista, passei a me esforçar pra ser cada vez mais uma pessoa melhor, mais ética e justa. E é muito bom esse sentimento, porque ele parte de um profundo senso de respeito ao próximo e não por medo ou coisas que religiões, por exemplo, tentam impor.

Deixa de Banca: Não. Eu sinto um conflito grande entre querer ter autonomia e ser codependente em relação a homens, mas não vejo em termos de estar sendo menos ou mais feminista. Mas eu nunca tive envolvimento com ativismo feminista, só leio livros sobre o tema e tento aplicar na minha vida pessoal mesmo.

Clarissa Wolff: Mas você não sente essa cobrança externa? As pessoas chegam pra você xingando “como pode gostar de x se é feminista”?

Deixa de Banca: Já rolou cobrança externa sim, por conta de alguns textos que escrevi, mas não me lembro de ter internalizado. Eu sou bem segura comigo mesma nesse ponto (em outros nem tanto). Mas acho que pode ser também porque nunca me envolvi com ativismo, então nunca fui cobrada a um nível que eu realmente considerasse importante. Gente me xingando na internet sempre tá falando besteira, nunca é uma cobrança que eu considerasse de fato válida

Vulva Revolução: Eu sinto que tem gente que tenta usar contra mim. Já me xingaram com termos misóginos, por exemplo, e depois me mandaram artigos acadêmicos sobre ressignificação de xingamentos e se eu fosse feminista mesmo, deveria aceitar e entender, rs. E sempre tentam me colocar nessa berlinda do “se você for feminista mesmo” e aí me empurram uma vontade meramente arbitrária e individual. E isso me deixa até confusa, pois feministas são as piores pessoas do mundo aos olhos do senso comum, mas ao mesmo tempo o senso comum espera as melhores coisas delas.

Você já teve envolvimento com ativismo feminista, Clarissa? Nesses moldes de se envolver politicamente? Eu sempre tive dificuldade, nunca fiz parte de nada organizado e presencial, tipo movimentos, grupos de mulheres, essas coisas. Nos últimos anos comecei a fazer mais eventos relacionados ao blog ou participar de eventos de outras pessoas, tenho um grupo de leitura feminista com outras mulheres, faço atividades em escolas ocasionalmente, ou oficinas em outros lugares, produzo material impresso, mas me sinto sempre muito sozinha. Ou, melhor dizendo, autônoma, independente?

Clarissa Wolff: Eu já, mas meio à distância. Ia em alguns encontros, mas não todos, saca? Também fazia muita coisa por mim, tipo ia em um protesto, fotografava e disponibilizava as fotos, ou produzia festa e doava os lucros. Eram coisas que mantinham um pouco uma distância, porque eu sou uma pessoa muito sozinha, não gosto de sair demais pra coisas presenciais. Então eu ia no que conseguia, tipo uma vez a cada dois meses.

Vulva Revolução: Nunca me sinto bem de me definir enquanto ativista, por nunca ter sido de um coletivo ou algo assim, mas ao mesmo tempo considero minha atuação importante. Acho que, de certo modo, nós todas temos uma personalidade parecida nesse aspecto! De ser mais pra dentro, não pra fora. Pra ser de coletivos e movimentos presenciais tem que ter um fôlego que eu não tenho, perdi o medo de falar em público tem pouquíssimo tempo.

Mas sempre fiquei muito tempo com minhas ideias e acho que a internet é fundamental nesse aspecto, porque se não fosse de outro jeito, eu não sei se estaria me articulando com tanta gente.

Deixa de Banca: Também tenho dificuldade de me relacionar com grupos de pessoas e essa é a questão que mais me afasta de um envolvimento com ativismo.

Clarissa Wolff: Eu acho também que qualquer grupo que constrói algo junto gera muita briga de ego, e isso também me manteve afastada.

Vulva Revolução: Nossa, sim! E nem sempre as pessoas estão na mesma página ou se dedicam com o mesmo afinco a algo que foi decidido conjuntamente. É muito complicado. Entendo que nem todo mundo tenha tempo ou disposição emocional pra se envolver com temas mais abertamente politizados, mas não dá pra negar que às vezes falta uma noção maior de responsabilidade sobre si mesmo. E sobre as próprias ações…

E o ser humano já é complicado por natureza, então acho que quando está lidando com questões tão dolorosas, pessoais, que envolvem direitos, experiências negativas, descobrimentos, tudo fica ainda mais difícil, porque cada pessoa está em uma fase diferente, enfrentando questões diferentes… Só político branco e rico mesmo que consegue achar que política não envolve áreas profundas do próprio subjetivo e fala toda hora em termos técnicos e supostamente imparciais, kkkkkk (cada k uma lágrima).

Clarissa Wolff: kkkkkkk (aqui também).

Vulva Revolução: Mas vamos falar de uma coisa boa: o impacto positivo do feminismo em nossas vidas. Porque temos críticas e anseios, mas acho que é um tipo de conhecimento que traz muita libertação também.

Deixa de Banca: Vamos! Acho que o feminismo foi muito importante para que eu pudesse me desprender de varias expectativas que me faziam mal. Como necessidade de estar maquiada, depilada, de ser sempre compassiva, de não valorizar minha produção intelectual, de antagonizar outras mulheres, de buscar aprovação masculina o tempo todo… E também foi pelo feminismo que eu reconheci meu racismo e consegui desenvolver empatia pelo movimento negro

Vulva Revolução: Eu melhorei minha relação comigo mesma, com os outros, com minha aparência, peso (uau, quem vê pensa que tô vendendo shake da Herbalife) e desconstruí muitas certezas sobre o mundo ao meu redor que me deixaram com um olhar mais aberto para novos modelos de relações amorosas, amizades, que me fizeram entender mais outras mulheres, inclusive as da minha própria família.

Deixa de Banca: Nossa, isso de entender mulheres da família foi muito forte pra mim também. Parei de antagonizar a minha mãe depois do feminismo. Nossa relação ficou muito melhor.

Clarissa Wolff: Eu melhorei muito a minha autoestima, minha relação com o mundo e também entendi melhor quem eu quero ser e como me posicionar pelo que eu acredito. Acho que a relação com as outras pessoas também muda, vira mais verdadeira e a gente perde menos tempo com relações superficiais

Vulva Revolução: A gente para de culpar nossas mães por tudo, né? E começa a entender que elas sofreram ou podem ter sofrido todas as mesmas coisas que outras mulheres por aí, infelizmente (aliás, a gente sempre acaba mencionando nossas mães nessas conversas! Só uma observação curiosa).

Clarissa Wolff: Hahahahaha, é verdade. E, sim, o foco deixa de ser o conflito.

Vulva Revolução: Eu acho legal a gente abordar a parte boa, pra que fique claro que as críticas visam apenas reflexões que tragam melhorias para todo mundo. Já não tenho mais paciência pra umbiguismos, pra mulher branca sendo tratada como universal e mais importante, então se a gente pensa em como as alterações individuais podem ajudar nas mudanças coletivas, a gente vai guiando nosso trem pra trilhos mais firmes…

Clarissa Wolff: Eu admiro muito mulheres como a Gail Dines que seguem firmes no fazer político mesmo depois de tanto tempo.

Vulva Revolução: Nossa, e mesmo com tanta pedrada.

Essa parte de não antagonizar mulheres que a Deixa de Banca falou foi muito importante pra mim, até porque além do bem-estar causado por alimentar amizades profundas, existe também uma parte política importante no agrupamento entre mulheres. A gente ganha mais voz e força mesmo nos âmbitos mais individuais da vida. Só acho que isso precisa agora ser rompido com mais força quando se fala em brancas e não-brancas de modo geral. Às vezes me irrito quando alguém me fala “precisamos levar o feminismo para a periferia” e sempre respondo “você é que precisa conhecer o feminismo feito na periferia”.

Deixa de Banca: Concordo 100%!

Clarissa Wolff: Sim!

Vulva Revolução: Pois enquanto mulheres brancas, percebo que não temos que “levar conhecimento” desse modo paternalista, mas ajudar outras mulheres a ter acesso ao que temos. A maioria das mulheres sabe que não “merece” apanhar, mas não tem acesso aos próprios direitos, não é amparada por leis como deveria, não conhece os trâmites burocráticos (que é diferente de não entender a situação em que se encontra).

Clarissa Wolff: Você falou em Bikini Kill, a Kathleen Hannah largou o riot grrrl por coisas assim.

Vulva Revolução: Sério? Li uma entrevista muito boa dela naquele livro “Não devemos nada a você” em que ela estava em um período de muitos dilemas, mas não sabia. O que ela disse sobre o movimento?

Clarissa Wolff: Eu li no livro “Girls to the front” como o racismo impactou, ela acabou saindo por causa de coisas assim.

Vulva Revolução: Nossa, não sabia! Eu facilitei uma roda de conversa em um espaço no Rio de Janeiro [Motim] e a Bah Lutz, do Bertha Lutz [banda punk e feminista de Minas Gerais], desenvolve um projeto em forma de zine chamado “Preta & Riot” em que ela mapeia mulheres negras envolvidas com o riot grrrl no Brasil. Ela falou bastante sobre a invisibilidade negra nesse meio e sobre a canonização da Kathleen Hanna que acaba centrada nessa cultura de idolização e celebrização que tanto queremos acabar. Isso me fez ver que eu mesma conhecia poucas mulheres negras envolvidas com o riot grrrl e comecei a pesquisar mais e mais, com a ajuda do material dela, inclusive.

Deixa de Banca: Aliás, uma coisa que me incomoda é essa percepção de que o feminismo é branco quando, na real, sempre existiram mulheres negras organizadas para defender os seus interesses. A diferença é que as brancas têm mais credibilidade e visibilidade na sociedade. A bell hooks fala muito sobre isso em “Ain’t I a Woman”. Então às vezes uma crítica ao feminismo que se entende como racialmente consciente na verdade está invisibilizando mais ainda o trabalho de mulheres negras

Vulva Revolução: Sim, isso é! Existem mulheres negras organizadas desde sempre e que precisam de visibilidade enquanto grupo, e às vezes o discurso branco fica se repetindo muito entre “precisamos reconhecer nossos privilégios” e “precisamos incluir mulheres negras” (como se elas estivessem de fora e não como se já estivessem organizadas). Precisamos ler, consumir, assistir, naturalizar a intelectualidade negra e os feitos de pessoas negras em nosso cotidiano, e não só falar da nossa culpa branca e aceitar uma e outra.

2

“Pela Moral e os Bons Costumes”

Quem me acompanha sabe que não apenas sou uma grande entusiasta do cenário independente e autoral, mas também me movimento bastante dentro dele, seja frequentando, apoiando, colaborando, escrevendo sobre ou produzindo o meu próprio material. Desde a minha primeira publicação impressa feita enquanto Vulva Revolução, muitas outras surgiram – e ainda vão surgir.

Fui convidada para escrever o texto que apresenta a exposição da MOTIM – Mercado de Produção Independente deste ano, que traz o tema “Pela Moral e os Bons Costumes” e conta com ilustrações diversas, e resolvi compartilhá-lo aqui no blog. O evento acontece em Brasília e, junto com outras iniciativas (como a Feira Dente, que sou muito fã), tem movimentado bastante a produção independente local. Literatura, quadrinhos, fanzines, pôsteres, fine art e música: tudo é possível nesses espaços, onde o que circula surge de mentes e esforços desconectados de uma lógica convencional de mercado.

Vulva Revolucao3.jpg

Leia o texto, apareça na MOTIM e apoie artistas independentes – ah, e eu vou estar por lá com as minhas coisas, claro! Por mais diálogo e gente que faz, e menos obscurantismo, por favor.

—–

Para abrir a 4ª edição do MOTIM – Mercado de Produção Independente, a exposição “Pela Moral e os Bons Costumes” traz pôsteres ilustrados por artistas de todo o Brasil. As imagens evocam reflexões sobre o cenário atual do debate político no país, que entre choques e polarizações, anda aflorando bastante os ânimos de uns e outros. Por Deus e pela família, cidadãos e cidadãs de bem rasgam a roupa alheia para limpar as nódoas que mancham os próprios tapetes.

A sujeira que é varrida para os cantos, no entanto, não esconde a moral que acaba por suspender a ética – e se preocupa mais em controlar a individualidade alheia em prol de uma massificação de péssimas práticas disfarçadas de bons costumes. Enquanto problemas concretos se acumulam, secundarizados e sem resolução, o grito agudo do pânico social preenche lacunas com respostas rasas e reducionistas. Ressona alto, é verdade, mas se dissolve no esquecimento na mesma medida em que faz barulho.

Talvez por isso seja tão fácil reciclar slogans que, em uma sociedade que se diz democrática, há tempos deveriam estar enterrados. O autoritarismo de quem quer limar o discurso alheio na porrada é um filho legítimo de um período obscuro do Brasil. Durante a ditadura militar, aparatos de repressão buscavam eliminar as dissidências – fossem elas políticas, sexuais ou sociais – justamente ao defender a tal da moral e dos bons costumes, termos tão abstratos quanto arbitrários no modo em que são utilizados.

Instituições de séculos atrás e figuras de autoridade detentoras de recursos financeiros e poder estão, a todo o momento, tentando disseminar a ideia de que a maior preocupação que possuem é o bem-estar coletivo. Enquanto alistam forças para atuar na linha de frente do ódio e do vigilantismo, trabalham também na sofisticada engrenagem que tem o objetivo de manter o status quo intacto. Artistas são utilizados como bodes expiatórios e taxados de criminosos e canalhas por aqueles que verdadeiramente merecem tais adjetivos.

O mal é tido como uma entidade oculta em manifestações artísticas que descortinam camadas diversas do comportamento humano que, na realidade, merecem análises atentas. Em uma caça maniqueísta que precisa encontrar culpados imediatos, contextualizações são atropeladas por conclusões apressadas e literais que não alcançam subtextos. O deboche, o escracho, a diferença, o desvio ou a crítica, porém, permanecem assinalados – e quem apertar bem os olhos poderá enxergar que estamos todos enrolados na manta de um rei que está nu.

1

Hugh Hefner: representante do patriarcado, não da “revolução sexual”

Hugh Hefner morreu. Um ícone de nossa era.

Ícone do ódio às mulheres e da naturalização do pornô e da cafetinagem, como disse a pesquisadora feminista Gail Dines, especialista em pornografia. Segundo a estudiosa, ele chamava mulheres de “dogs” e comoditizou, no jogo capitalista, o corpo feminino. Por fim, acoplou tudo isso à intelectuais, para tornar cool a ideia do império que estava a construir em cima de noções bem misóginas do que é ser mulher.

playboybunny

Hefner e mulheres que utilizava de acessório para pagar de poderoso

Hefner morreu de causas naturais aos 91 anos, na noite da última quarta-feira, 27 de setembro. Ele estava na Playboy Mansion West, casa em que vivia em Los Angeles (EUA). Desde então, o assunto está sendo abordado em diversos veículos de mídia. Claro, mais um pedaço do século XX se foi em uma figura histórica. É inegável a influência cultural do empresário: a Playboy não é apenas uma revista, é também uma ideia, um estilo de vida. Mas, espera aí… Empresário?

Em um artigo escrito em 2006 sobre os 80 anos de Hefner, Dines e Robert Jensen apontaram que ele é, na verdade, um dos cafetões mais famosos de que se tem notícia. Ele não apenas ajudou a naturalizar a venda de corpos de mulheres, como construiu a própria riqueza em cima dessa venda. E ainda conseguiu ser visto como um representante da “revolução sexual”, mesmo propagando um conceito de liberdade que se relaciona com o “acesso à sexualidade feminina baseado nas necessidades e regras masculinas”, nas palavras dos autores citados acima.

Como disse a feminista Claire Heuchan, que já teve texto traduzido por aqui, “Hefner não era, como alguns clamam, um pioneiro da revolução sexual. Não tem nada revolucionário em homens explorando mulheres para a própria gratificação sexual ou ganho financeiro – isso vem acontecendo por centenas de anos, e se chama patriarcado”. Ouch. Ela acrescentou ainda que, embora ele esteja sendo celebrado como um ícone cultural que mudou o mundo, as mudanças não foram boas: ele ajudou a normalizar a objetificação feminina e pavimentou o caminho para uma cultura pornográfica.

Para quem quiser argumentar dizendo que a Playboy não é pornografia, pense no seguinte: a revista – e a empresa – alimentaram (e ainda alimentam) uma imagem pornificada da mulher que reverberou culturalmente no imaginário coletivo. E a Playboy possui braços em inúmeras áreas, de canais pornográficos a licenciamento de produtos de diversos tipos. Essa atuação múltipla envolvia (e envolve) não apenas uma ~atmosfera pornificada~ mas também pornografia de fato – o que com certeza ajudou na disseminação da atmosfera glamourizada que envolve a marca, inclusive.

O problema é que, de acordo com relatos de várias “coelhinhas”, esse glamour é uma mentira – como sempre costuma ser. Como dizem por aí, marketing é a alma do negócio, não é mesmo? Existem diversas acusações contra Hefner e contra homens que estavam ao redor dele, que envolvem assédios, abusos, agressões e até estupros – o que, infelizmente, não é tão surpreendente assim. O que esperar de pessoas que enxergam mulher apenas como um produto lucrativo ou um brinquedo sexual?

Em 1963, a feminista Gloria Steinem se infiltrou em um Playboy Club que era parte da cadeia de casas noturnas e “entretenimento” da empresa e escreveu o icônico artigo “Eu fui uma coelhinha da Playboy”. Aqui neste blog, de mesmo nome do texto, é possível ler a tradução em português, bem como a repercussão gerada pela publicação de Steinem, que não apenas foi uma das primeiras pessoas a desnudar o falso glamour que era divulgado, como revelou questões trabalhistas problemáticas dentro da Playboy. A gama de problemas encontrada envolvia também invasão da vida pessoal e controle de saúde, sexualidade e aparência das trabalhadoras (as mulheres que trabalhavam nos clubes também apareciam nas revistas e etc, leiam para entender melhor).

Em 1970, Hefner disse que as feministas eram “inimigas naturais” da Playboy e ordenou que fosse escrito uma reportagem “devastadora” que destruísse as militantes. Várias foram as charges publicadas na revista ridicularizando quem se opunha aos ideais do magnata. A escritora feminista Andrea Dworkin, por exemplo, foi perseguida pela publicação diversas vezes. Por isso, é preciso observar atentamente o conteúdo do que homens assim tentam vilanizar para não acabar comprando e endossando a narrativa que eles querem empurrar como certa.

No mesmo ano, a escritora e jornalista feminista Susan Brownmiller disse a Hefner, em um programa de televisão, que o papel que a Playboy dava às mulheres era degradante por colocá-las apenas como objetos sexuais – e não seres humanas completas. E, então, quando perguntou se um dia ele iria aparecer com um rabinho de coelho na bunda, Hefner apenas sorriu e balançou a cabeça.

Claro que não.

Ainda assim, Hefner tentava disfarçar a própria misoginia afirmando apoiar a luta feminina. No entanto, o apoio dele se restringia a questões que o beneficiasse sexualmente, discurso batido que até hoje é fortemente veiculado por aí. Vivemos em uma sociedade que fala muito de sexo, mas sob um viés altamente heteronormativo e patriarcal. Sexo de verdade precisa envolver prazer e respeito mútuo – ideia aparentemente simples, mas que balança muitas estruturas do status quo que buscam dominar e controlar mulheres.

Por isso, considero preocupante que Hefner seja idolatrado e apontado como um herói a partir de um ideal deturpado, infantilizado (c’mon, mulheres gostosas com roupinha de coelho?) e violento do que é ter sucesso. Considero preocupante também que muita gente, ainda hoje, confunda senso crítico com moralismo. Discutir a mercantilização de corpos femininos e construções hegemônicas de sexualidade é importante. Estamos falando de mercados bilionários que moldam subjetividades, exploram pessoas (principalmente mulheres) e lucram bastante, sem sequer repassar isso de maneira justa a quem está na “linha de frente”.

Com a partida de Hefner sinalizando um marco, me pego pensando em como seŕá daqui pra frente. Dines e David Levy escreveram em um artigo sobre como o recente declínio do império Playboy não é uma vitória feminista (lembram quando a empresa estava tentando convencer mulheres a posar de graça?), mas da pornografia mainstream. Eles apontaram, inclusive, que o pornô, cada vez mais acessível, é também cada vez mais agressivo.

E, convenhamos: ninguém fala abertamente sobre sexo, como já lamentei acima, nem sobre os próprios desejos, medos, dúvidas ou anseios. Não se pode discutir esse tema em escolas, não existem programas suficientes que orientem a juventude nesse sentido, fundamentalismos ganham mais e mais espaços… As pessoas estão soterradas em desinformação.

Um pedacinho do patriarcado como conhecemos se foi, mas a tecnologia do século XXI está a todo vapor, criando realidades novas que continuam a carregar valores muito antigos. O que vem agora?